Um dos objetivos é que “a cidade seja um exemplo em recuperação de perdas de água”, revelou Jorge Sequeira

A Câmara Municipal de S. João da Madeira pretende melhorar a gestão da eficiência da água através da melhoria dos sistemas de controlo e gestão da rede e das suas condições operacionais e de funcionamento.

A candidatura aprovada pelo POSEUR (Programa Operacional de Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos) vai ao encontro do objetivo de reduzir o número de perdas de água existentes. Apesar deste número ter vindo a diminuir, “ambicionamos atingir um número bastante inferior porque achamos que é exequível”, assumiu Daniel Matias, diretor-geral da empresa municipal Águas de S. João, depois da apresentação desta candidatura aos jornalistas, revelando o número de perdas dos últimos quatro anos. S. João da Madeira registou 23,20% de perdas de água em 2017, 27% em 2018, um número muito superior ao do ano anterior devido ao facto de não ter sido detetada uma fuga existente há quatro meses, 20% em 2019 e 19,02 em maio de 2020.

O presidente da câmara, Jorge Sequeira, reforçou a ideia de que “temos um nível de perda de água que deve ser reduzido gradualmente” porque este é “um problema de natureza ambiental e financeiro”. Por um lado, a água é “um recurso escasso que será cada vez mais escasso no futuro”. Por outro, “não somos ressarcidos dessa água que pagamos”. O objetivo é que “a cidade seja um exemplo em recuperação de perdas de água”, revelou Jorge Sequeira.

O plano de redução de perdas de água está dividido em três fases: substituir Redes de Abastecimento de Água com desempenho ineficiente; construir caixas para Alojamento de Válvulas Redutoras de Pressão (VRP); e aquisição e instalação de equipamentos e programas de gestão operacional e a Telegestão.

Na primeira fase foram identificadas as zonas da Avenida do Brasil, de Santo Estevão e do Parque de Nossa Senhora dos Milagres como aquelas que têm níveis de perda de água mais graves. A substituição destas redes representa um investimento estimado de 236.210 euros e está previsto ser realizada ao longo de 10 meses.Numa segunda fase vão ser comprados equipamentos que permitirão uma maior eficiência na gestão da água como VRP´s, caudalímetros eletromagnéticos e equipamentos de pesquisa ativa de fugas. Estes equipamentos representam um investimento de 193.300 euros. Por último vão ser adquiridos Sistemas e Software Informático com maior produtividade e menor tempo de resposta no valor de 127.100 euros. Este é um investimento total de 556.610 mil euros cuja contribuição do Fundo de Coesão é de 169.562 euros.

Obras vão ter “cuidado especial” para criar o “mínimo de inconveniente” e investimento não se vai refletir na fatura dos sanjoanenses

Neste momento está já executada a componente correspondente ao Sistema de Supervisão que permite identificar mais rapidamente as fugas de água e em fase final de preparação os procedimentos dos concursos públicos para a obra de substituição das redes, fornecimento e instalação de VRP’s, fornecimento de Sistema de Gestão Operacional e de Equipamentos de Monitorização e Pesquisa Ativa de Fugas, cujo lançamento será formalizado ainda este mês. A previsão é de que a execução fique concluída em julho de 2021.

Em relação a esta intervenção, “vamos ter um cuidado especial na forma como vão decorrer as obras para que haja o mínimo de inconveniente”, assegurou Daniel Matias, garantindo ainda, juntamente com Jorge Sequeira, que esta intervenção não vai ter qualquer tipo de reflexão na fatura dos sanjoanenses.

O labor tentou saber quantas fugas foram detetadas pela empresa municipal desde 2017 e qual a estimativa do custo de reparação das mesmas, mas estes foram dados que Jorge Sequeira e Daniel Matias não conseguiram fornecer no momento de apresentação da candidatura.

 

Substituição das redes de abastecimento:

  • Zona da Avenida do Brasil – substituição de 2.170 metros de conduta, remodelação de 90 ramais e instalação de 14 marcos de incêndio em substituição da rede de combate a incêndios existente. Esta zona está subdividida em duas zonas de intervenção pois são abastecidas por reservatórios distintos.
  • Zona de Santo Estevão – substituição de 562 metros de conduta, remodelação de 27 ramais e instalação de quatro marcos de incêndio em substituição da rede de combate a incêndios existente.
  • Zona do Parque N. Sr.ª dos Milagres – substituição de 1.890 metros de conduta, remodelação de 15 ramais e instalação de seis marcos de incêndio em substituição da rede de combate a incêndios existente

 

Presidente apela à adesão à fatura eletrónica

Numa altura em que as pessoas devem reduzir a sua deslocação presencial ao maior número de espaços possíveis, devido à pandemia de Covid-19, o presidente da câmara, Jorge Sequeira, apelou “à adesão à fatura eletrónica” da água por parte dos sanjoanenses. Até ao momento “22% dos clientes” já aderiram aos métodos de pagamento digitais em S. João da Madeira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Loading Facebook Comments ...