Sinais

0
128

Costuma dizer-se que uma cidade com muitas gruas no horizonte é sinal de vitalidade económica, do mesmo modo que se tiver as montras do seu comércio espalhadas de indicativos de “saldos, descontos ou rebaixas” é sinal de crise, havendo mesmo, por vezes, a sensação de que se pretende vender o “desconto” e não o “produto”.

Ora é isso que faz hoje o panorama do comércio das nossas cidades, num grito de desespero surdo mas profundamente angustiante. A economia está parada, melhor, anda a passo de “caracol”, a crise assusta e as pessoas refugiam-se no olhar da rua sem entrar na loja, a qualidade de produtos e serviços baixa e a esperança de melhores dias só está na mente dos governantes, a viverem universos de ficção. Mais duro ainda nisto tudo é que o problema não é só nosso é aquilo com que os outros, europeus como nós, nos poderiam ajudar, comprando os nossos produtos, também é atravessado por idênticos sinais.

Em S. João da Madeira, apesar da escassez de turismo, este veio como esteio de suporte e a cidade tem atrativos fascinantes, mas não parece que isso contribua muito para animar o nosso comércio de rua, para além dos consumos hoteleiros e derivados, pois as ruas têm cada vez menos comércio ativo e há lojas a fechar todos os meses. Se isto for somado com o impacto das “grandes superfícies” sobre o setor, é preocupante, pois reflete a fragilidade da nossa economia. Faltam dinheiro e confiança, sobram desemprego e dificuldades e numa sociedade envelhecida, com a “classe média” destroçada, dar a “volta por cima” não é fácil, embora a nossa capacidade de resistência seja grande, quase do tamanho da resignação.

É o momento de testar quem é mais forte, se a resistência ou a resignação, pois por muito que esteja fixada no nosso inconsciente psicológico, a resistência de um povo, aliada à imaginação, que não nos falta, pode servir para mostrar que há sempre outros caminhos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Loading Facebook Comments ...