“Gosto de viver… poderia viver 200 anos”

0
242
Créditos: DR

Ainda em outubro deste ano, Nanni Pinto conta apresentar o seu último livro em S. João da Madeira

 

Quem é a Nanni Pinto?

Otimista por natureza, expresso-me com as mãos e um sorriso. As emoções conduzem as minhas mãos e delas faço um pincel que escreve com cores e liberdade.

Vivo com o espanto de quem vê todos os dias pela primeira vez os acontecimentos. Olho o mundo com olhos simples. Confundem-me as tecnologias. Gosto de me mover entre “cousas” simples. Sou prática. Gosto de viver… poderia viver 200 anos. Queria um mundo transparente.

Sou mãe a tempo inteiro. Mãe é como a natureza: renova a cada oportunidade. Assim sou. Aprendi que só há um lugar para a felicidade: dentro de nós! Considero-me uma pessoa realizada.

 Atualmente como é o seu dia-a-dia?

Dou aulas de Tai Chi Chuan e Chi Kung, na clínica que abri em Braga em 2006: Banyan – Oficina das Artes do Oriente. Dois dos grupos pertencem à Cerci de Guimarães e S. João da Ponte, sendo quatro deles campeões e vice-campeões de Tai Chi, forma de competição 42, no campeonato de 2005 realizado em S. João da Madeira (SJM).

Na clínica exerço MTC, Acupuntura e Massagem Tui Na, onde também pratico.

Além disso, organizo encontros mensais de poesia (“Edições Poemanyan”) e escrevo e desenho diariamente.

 

Nanni Pinto não chegou a conhecer o tio-avô Serafim Leite, mas sempre se sentiu “próxima dele”

Qual é a sua ligação a SJM. Fale-nos um pouco das suas origens familiares. Temos conhecimento, por exemplo, que é sobrinha-neta do Dr. Serafim Leite.

O meu pai, António Pinto de Oliveira Júnior, é natural de SJM. Nasceu em 1929. O seu pai, António Pinto de Oliveira, foi um respeitoso empresário da fábrica de calçado Pinto de Oliveira & Irmãos Lda. O Padre Serafim Leite é irmão da avó Maria, mãe do meu pai. Viviam na Quintã.

Nasci em SJM, fiz a primária no Jardim do Sol, o ciclo em SJM e até ao 9º ano andei na escola industrial de SJM. Depois fui para Aveiro estudar (10º e 11º anos). No Porto fiz o 12º e frequentei a Faculdade de Arquitetura.

Não me lembro do tio-avô Serafim Leite. Teria três anos, quando morreu mas talvez por ter crescido a ouvir falar dele, e que era escritor e todas aquelas viagens, que sempre me senti próxima dele.

 Costuma vir frequentemente a SJM?

Não vou com frequência a SJM. Não me resta muito tempo, precisando orientar o meu filho nas suas atividades assim como o meu trabalho que se estende pelo sábado. Mas se pudesse iria muitas vezes.

 

Escrever “será uma forma de alongar os dias”

Quando e como surge a escrita/ilustração na sua vida?

A escrita e a ilustração surgem, porquê não sei, desde pequena. Sempre gostei das palavras, sempre gostei de desenhar e ainda hoje gosto de brincar!

Escrever é uma necessidade inevitável. Adormeço com um bloco e uma caneta ao lado da cama. Muitas vezes, se não fico acordada, acordo para escrever.Tanta coisa ainda para fazer. Será por isso a pressa de não deixar escapar nada.

Já dei por mim a perguntar-me porque escrevo: não quero perder de vista a relação dos dias, o tempo e os acontecimentos duma teia invisível que me liga ao passado e aos outros, a coisas a que muitos chamam de coincidências e eu não!

Quando se anda entusiasmado a vida humana não chega. Será uma forma de alongar os dias.

Desenho porque tudo entra com muita intensidade pelos meus olhos adentro provocando o meu espírito. O que desenho tem uma estória, o que escrevo tem imagem, por isso vão sempre andando lado a lado.

 Como as define? Que pretende transmitir com ambas?

Como parte da minha vida. Somos afortunados pela existência na Terra: plantas, seres, muitos seres e todos ligados a uma só energia chamada de vida.

Separados por tanto egoísmo, dinheiro e ganância, a natureza, animais e homens seguem caminhos diferentes, opostos. Os homens não respeitam a natureza. Reconhecemos a importância dos mestres, mas não os respeitamos ou protegemos. Estar na natureza é como estar diante dum mestre! Lembrar que a vida é para ser vivida plenamente.

 

Escritora tem mais duas obras na calha

Quantos e quais livros publicou até à data?

Tenho seis livros publicados. “Filtragens” (1993), primeiro livro de poesia sob o heterónimo BhamalVanaj. “Lenda de Mada Moha” (2000), prosa, tendo obtido o 1º prémio no concurso “Contos de Amor” lançado pelo Shopping Bragaparque.

Com a exposição de desenho “Amor breviterno”, no Porto, escrevi “Caderno de apontamentos de um amor breviterno” (outubro de 2012).

Em outubro de 2013, editei o livro “As tecedeiras do destino”, o qual surgiu juntamente com a exposição de desenho com o mesmo título, que fiz em Famalicão

Em 2014, a Editorial Novembro editou “Os pássaros também se sentam”, conto numa perspetiva budista, que teve uma 2ª edição em 2016. Em abril 2018, a mesma editora lançou “Mãemequer, jardim de perfumes”.

Para breve estão “Cartas do meu jardineiro” (prosa) e “Diário dum palhaço ou a dicotomia do ser”.

 Tem algum livro preferido, que queira destacar? Se sim, porquê?

“Caderno de apontamentos de um amor breviterno”. Foi o livro que surgiu dum momento doloroso e cujo prémio foi a possibilidade de percecionar a distância entre a vida e a morte.

 Já apresentou alguma obra em SJM? Para quando uma próxima apresentação?

Sim. Em 2014 e 2016 – “Os pássaros também se sentam” – na Biblioteca Municipal de SJM. A próxima apresentação, do livro “Mãemequer, jardim de perfumes”, poderá estar para outubro deste ano.

Encontra-se a trabalhar em mais alguma obra?

Sim, que conto apresentar no início do próximo ano: “Cartas do meu jardineiro” (texto poético) e “Diário dum palhaço ou a dicotomia do ser” (associado a uma exposição de aguarelas).

 Que outros projetos que tenha em mente concretizar?

Fazer em breve uma exposição de escultura.

 

Créditos: DR

 

Nanni Pinto na primeira pessoa

Nanni Pinto nasceu a 24 de março de 1967 em S. João da Madeira e reside atualmente em Braga. Mas antes, entre 1992 e 1996, ainda viveu no Brasil, Índia e Macau.

É licenciada em Arquitetura (1995) pela FAUP – Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto e em Medicina Tradicional Chinesa [2004 (Acupunctura Massagem Terapêutica Tuina pela Escuela Latinoamericana de Medicina Chinesa, Santiago do Chile)]. Tem duas pós-graduações pela Universidade de Guangzhou (Cantão), República da China e é treinadora pela Federação Portuguesa de Artes Marciais Chinesas de Tai Chi e Chi Kung Terapêutico.

Desde 2003 que exerce MTC e acupunctura e desde 1998 que ensina Tai Chi e Chi Kung a um grupo de alunos, incluindo alunos da Cerci de Guimarães e de S. João da Ponte.

Tem como hobbies escrever, desenhar, pintar, esculpir, sonhar, praticar taichi e chikung, fazer origamis, cultivar amigos.

A sua crença é, “antes de tudo, a da humanidade”. “A minha alma reúne todas as religiões, depois de um dia ter feito os votos budistas”.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here