Iluminação pública LED vai custar mais de 500 mil euros

0
124
DF

A câmara municipal vai lançar um concurso público para a empreitada “Gestão de eficiência energética na iluminação pública. Iluminação Pública LED Fase II”, ainda este ano, depois do pedido ter sido aprovado por maioria com os votos a favor do PS e CDU e os votos contra da coligação PSD/CDS-PP na Assembleia Municipal desta segunda-feira.

O procedimento com o valor base 533.117,56 euros, acrescido de IVA à taxa legal, vai ser lançado este ano, mas a execução financeira vai ser incluída no orçamento de 2019.

O presidente da câmara, Jorge Sequeira, deu a conhecer que “Energaia colaborou connosco para tudo”. Do estudo realizado por esta entidade resultaram dois caminhos. Um implica um investimento próprio do Município, o outro passa pela contratação de uma empresa de serviços energéticos, com a qual teria de dividir a poupança gerada.

De acordo com Jorge Sequeira, “o estudo demonstra que o valor arrecadado é muito maior se o Município investir com recurso a capitais próprios”.

A câmara aprovou a substituição de 1.613 luminárias convencionais por luminárias com tecnologia LED, número correspondente a 43% das existentes nas vias públicas ou a 34% do conjunto total de luminárias (4.724), a que se acrescentarmos as 991 luminárias objeto de financiamento do Norte 2020 dá uma percentagem global de 55%, ficando os restantes 45% para mais tarde.

O autarca relembrou que o executivo anterior, liderado pela coligação PSD/CDS-PP, tinha “contratado um empréstimo que teve por base um estudo da Energaia e permitia a cobertura de 703 luminárias” para que pudesse, logo a seguir, explicar que o novo executivo, liderado pelos socialistas, decidiu “ir mais além” com este investimento que visa a cobertura de mais luminárias.

Para Jorge Sequeira, este é “um passo muito significativo na modernização da nossa cidade” que visa “a curto, médio e longo prazo reduzir a despesa do Município”. “Sabemos que outros podiam ambicionar outro tipo de ação, mas estamos conscientes de que o que vamos fazer é extremamente importante”, “devemos ser prudentes em relação ao endividamento” e “esta parece ser a melhor solução para a cidade”, disse o autarca, adivinhando a discordância de alguma das bancadas. E assim foi. “Os sanjoanenses merecem muito mais do 55%”, afirmou Susana Lamas, deputada do PSD/CDS, vincando uma posição já assumida por esta força política quando o assunto foi discutido em reunião de câmara, tendo a mesma apresentado uma proposta que pretendia a cobertura de toda a cidade. Desta forma, Susana Lamas justificou o voto contra da sua bancada de uma proposta que “prejudica” 45% dos sanjoanenses.

A bancada da CDU, olhando para as posições assumidas por PS e PSD/PSD, não compreende porque não se opta pela iluminação total, assumiu o deputado Jorge Cortez, não tendo ficado convencido com a explicação de que a substituição total das luminárias poderá atingir o limite de endividamento do Município dada por Jorge Sequeira. Mesmo assim, a CDU votou favoravelmente porque “não desvalorizamos os pequenos passos, embora fiquemos com dúvidas de que o senhor presidente tenha razão”, esclareceu Jorge Cortez.

Na visão de Jorge Sequeira, a medida “não prejudica” nenhum sanjoanense porque todos os sanjoanenses vão beneficiar da mesma. Relativamente à proposta apresentada pela coligação PSD/CDS, “essa deliberação camarária não foi violada, ficou decidido fazer um estudo e este estudo apresenta esta dimensão territorial, a que seria mais prudente”, reagiu Jorge Sequeira, assumindo: “Cá estamos para ser julgados sobre esta opção no futuro”.

Fornecimento de eletricidade em mercado de preços livres

A proposta da câmara de abertura de um concurso para a aquisição do fornecimento de eletricidade em regime de mercado de preços livres foi aprovada unanimemente pela Assembleia Municipal. O preço não deverá de ultrapassar os 2.1 milhões de euros mais IVA, com prazo de vigência de 24 meses, estando estimados os valores de 630 mil euros e de 420 mil euros, mais IVA, para encargos e instalações e para a iluminação pública, respetivamente.

O objetivo é conseguir um melhor preço para o fornecimento de energia, estando esta medida inserida “num quadro de medidas com vista à redução da despesa”, disse Jorge Sequeira, esclarecendo que os valores anteriormente mencionados correspondem “ao histórico de gastos com aquisição de eletricidade atualmente”.

 

 

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui