S. João da Madeira necessita de uma revolução urbanística

Parte I

A cidade de S. João da Madeira foi criando novas centralidades sem que a ordenação urbanística tivesse acompanhado esse movimento de evolução e a consequência foi dividir a cidade em duas metades: uma das metades dirigida a quem faz turismo cultural e outra metade destinada a todo o resto.

A zona onde estão instalados os Museus da Chapelaria e do Calçado e a Oliva Creative Factory é hoje uma área cheia de vida. Quase todos os dias chegam autocarros cheios de visitantes que, infelizmente, no fim da visita aos museus voltam a partir sem que tenham usufruído da cidade que os acolheu.

Por isso, parece-me que esta zona precisa urgentemente de ser ligada ao centro da cidade, para que seja possível aos sanjoanenses e a quem nos visita fazer este percurso de forma aprazível e sem correr riscos.

Para tal, a solução seria criar um corredor pedonal contínuo entre a Praça Luís Ribeiro e o Largo Afonso Henriques (antigo “Zé do Vário”), pela atual Rua Oliveira Júnior, e daí até aos museus, seguindo a mesma lógica estética da Praça (com circulação automóvel de um sentido e largos passeios).

Acredito que estas alterações iriam contribuir decisivamente para um maior fluxo de visitantes ao centro da cidade, nomeadamente, dos muitos visitantes dos museus e Oliva.

Para o turista ou visitante, a cidade vê-se a pé ao longo de ruas bonitas e bem cuidadas, pelo que o prolongamento da zona pedonal seria um forte estímulo para estes visitantes ‘descerem’ até à Praça Luís Ribeiro.

Consequentemente, daqui resultaria um aumento de consumo no comércio local que tanto precisa de ser revitalizado. Criar-se-ia uma “grande Praça Luís Ribeiro” que passaria a abarcar, dentro de si, a oferta cultural qualificada da cidade (e aqui considero também a Casa da Criatividade e os Paços da Cultura).

S. João da Madeira é demasiado pequena para estar partida em duas metades. A fácil e esteticamente qualificada ligação entre os seus equipamentos é essencial para o seu desenvolvimento, afirmação e capacidade de atração dentro da região norte.

Afinal, quem quer visitar cidades que não sejam bonitas?

Jorge A. Silva

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here