Um labirinto de milho que tem a forma de um bacalhau na zona de Ílhavo e um terreno que parece um elefante na zona do Mogadouro são alguns dos exemplos

A exposição de fotografia aérea do projeto “detalhAR” de Francisco Piqueiro pode ser visitada desde o dia 16 de novembro na Biblioteca Municipal Dr. Renato Araújo.

O que podemos ver é uma coleção de 31 imagens de fotografia aérea, captadas entre 2000 e 2017, através de “métodos tradicionais com avião e helicóptero”, começou por dizer Francisco Piqueiro, explicando que “a grande maioria das imagens tenta ser o mais abstrata possível. Eu chamo-lhes imagens de ´fine art´”.

E aqui percebemos o nome do projeto “detalhAr” – detalhe captado no ar – porque estamos perante imagens que à primeira vista despertam uma impressão para uma determinada coisa ou coisa alguma e na maior parte das vezes, se não em todas, percebemos que estamos a olhar para um detalhe de uma determinada zona do nosso país.

“Eu tenho uma obsessão pelo detalhe e quando se chega muito perto, nomeadamente nessa que parece um azulejo, percebem que na realidade há lá um canal, uns cabos elétricos, e isso é o objetivo fundamental da exposição. Depois, quase todas elas têm uma legenda com um pequeno mapa de Portugal e o sítio onde elas foram tiradas e uma imagem oblíqua para as pessoas perceberem onde está e que realmente existe”, explicou o fotógrafo autodidata eprofessor auxiliar de Hidráulica da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto ao labor.

Só para termos uma noção daquilo que estamos a falar, esta exposição apresenta o padrão dos carros no Porto de Setúbal, um labirinto de milho que tem a forma de um bacalhau na zona de Ílhavo, as poças do mar em Afife, um terreno que parece um elefante na zona do Mogadouro, a Ponte Vasco da Gama, entre muitas outras zonas de Norte a Sul do país.

Entre estas fotografias tem algumas de S. João da Madeira com algum tempo, tendo o fotógrafo destacado uma de “um prédio que no Euro 2004 estava completamente revestido com uma bandeira” durante a conversa com o nosso jornal.

A maior parte destas imagens é “feita nos intervalos entre os trabalhos comerciais ao ir daqui para acolá só porque se viu no ar e foram lá procuradas. A maior parte delas não era possível de serem feitas por drone” pelo facto de “nós aqui no chão não nos apercebermos que aqui ao lado existe uma praça com uma determinada forma”, exemplificou Francisco Piqueiro ao labor.

O fotógrafo não perde tanto tempo quanto gostaria com este projeto assumindo que “gostaria que houvesse mais trabalhos e mais tempo no ar”.

Nesta exposição podemos ver apenas uma pequena parte das cerca de 100 imagens, “dentro desta filosofia muito abstrata”, captadas por Francisco Piqueiro que espera brevemente editar um livro.

Quem quiser saber mais sobre o trabalho deste fotógrafo, pode fazê-lo em www.FotoEngenho.pt.

A exposição de fotografia aérea do projeto “detalhAR” de Francisco Piqueiro pode ser visitada até ao dia 31 de dezembro na Biblioteca Municipal Dr. Renato Araújo.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui