S. João da Madeira é “o concelho mais pequeno em território do país, mas grande em valor”, destacou o presidente Jorge Sequeira

O Voucher Jumpstart reuniu os participantes da segunda edição do StartUp Voucherno dia 17 de janeiro na Sala dos Fornos da Oliva Creative Factory, em S. João da Madeira.

Esta iniciativa do IAPMEI- Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e à Inovação tem o intuito de promover o desenvolvimento de projetos empresariais. Depois da primeira edição ter tido lugar no Hub Creativo do Beato, em Lisboa, a edição deste ano migrou para S. João da Madeira, com o apoio da Sanjotec, incubadora acreditada no âmbito desta medida e que tem vindo a apoiar vários projetos empreendedores do Startup Voucher desde a primeira edição.

No sentido de dar continuidade a esta iniciativa, o IAPMEI juntou elementos do ecossistema empreendedor para o Voucher Jumpstart em S. João da Madeira.

O evento foi orientado pelo humorista Nilton que disse várias vezes que “os portugueses são corajosos” e a prova disso é este projeto que valoriza as entidades e, por conseguinte, as pessoas porque são “as pessoas que fazem as entidades”.

E por falar em pessoas e entidades, Jorge Sequeira, presidente da câmara de S. João da Madeira, contou a história da Sala dos Fornos. Aquele espaço recuperado e ocupado por jovens empreendedores já fez parte da Oliva, uma grande empresa do setor da metalúrgica, fundada em 1925 em S. João da Madeira. Os milhares de empregados produziam as famosas máquinas de costura Oliva, banheiras, salamandras, entre outras coisas. E a história comprova que “S. João da Madeira é um concelho de empreendedores e de indústria”, constatou Jorge Sequeira com a ressalva de que este é “o concelho mais pequeno em território do país, mas grande em valor”. O autarca, recorrendo uma vez mais à história, deu a conhecer que S. João da Madeira conquistou a sua autonomia a 11 de outubro de 1926 porque era “a freguesia mais pujante em termos de indústria com cerca de 200 empresas ligadas ao setor da chapelaria”.

A queda do setor do chapéu levou a que a indústria sanjoanense apostasse no sapato, sendo um dos concelhos com maior expressão neste setor. E com a evolução do tempo, o próprio Município decidiu apostar em três estruturas de suporte às empresas. A Sanjotec para a empresas ligadas ao setor criativo e tecnológico, a Oliva Creative Factory para empresas ligadas à criatividade e inovação e o Turismo Industrial que valoriza o património e a indústria sanjoanenses.

A construção de uma estratégica nacional para o empreendedorismo

O encontro tinha acabado de começar, mas Nuno Mangas, presidente do IAPMEI, estava certo de que aquela reunião seria “importante” para todos os presentes ficarem com “as ideias a fervilhar” e para “novos negócios”. Nas duas edições deste projeto, a maior parte dos candidatos e empreendedores são do Norte. Por essa razão, o IAPMEI decidiu que esta reunião tinha de ser num local “não tão usual e mal visitámos a Oliva soubemos que seria aqui”, contou aos presentes. Os resultados da segunda edição foram “interessantes” e “expressivos” fruto de um trabalho de todos os envolvidos, destacou Nuno Mangas, com especial atenção para os empreendedores que “fazem o sucesso deste programa que é a construção de uma estratégia nacional para o empreendedorismo”.

Este programa recebeu um total de 817 candidaturas, das quais 473 foram aprovadas, correspondendo a 809 bolsas para empreendedores nas edições de 2016 e 2018.

João Neves, secretário de Estado da Indústria, concordou com o facto de que os portugueses serem corajosos, destacado por Nilton, e demonstrou vontade em participar no Turismo Industrial porque vai ao encontro de um “dos deveres da minha missão de valorizar a indústria”. O Governo quer “valorizar o que é o papel do IAPMEI no futuro”, um parceiro importante para levar a cabo as prioridades do Ministério da Economia que passam pelo “crescimento económico e do investimento” em Portugal, concluiu João Neves.

A reunião encerrou com “Do’s e Don’ts no StartUp Voucher” do IAPMEI, o painel com empreendedores do StartUp Voucher, moderado pela Sanjotec, e com uma sessão de network dos participantes com entidades relacionadas com a atividade empreendedora.

O StartUp Voucher…

…destina-se a jovens portugueses, ou residentes em Portugal, com idades compreendidas entre os 18 e os 35 anos que não tenham empresas constituídas ou fontes de rendimento.

…tem uma duração entre quatro a 12 meses e este programa proporciona aos participantes um apoio financeiro, através de bolsas, no valor mensal de 691,70 euros, sendo que, no máximo, poderão ser atribuídas duas bolsas a cada projeto empresarial.

…dispõe ainda de assistência técnica, mentoria e um prémio para a concretização do projeto e da constituição da empresa.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui