Devido a condições climatéricas adversas

“Atendendo às condições atmosféricas que se têm feito sentir, pedimos uma suspensão parcial da obra” até o estado do tempo se alterar. Em declarações exclusivas ao labor, o engenheiro da Construções Carlos Pinho, Lda., empresa que tem a seu cargo a beneficiação de um troço de aproximadamente seis quilómetros da Estrada Nacional (EN) 223 entre Arrifana e Santa Maria da Feira, justificou, assim, a paragem desta obra, tal como a da estrada regional (ER) 227/IC2 entre S. João da Madeira e Vale de Cambra, que “se encontra na mesma situação”.

“Há trabalhos que não podem ser realizados nem com chuva nem com muito frio”, daí “a obra estar parada desde o início do ano”, explicou António Oliveira referindo-se em concreto à intervenção na EN223. E ainda relativamente a esta afirmou que, aquando do seu reinício, previsto para fevereiro, a Construções Carlos Pinho, Lda. tem de “apresentar um plano de recuperação”, tendo em vista o término da beneficiação dentro do “timing” programado. Recorde-se que o prazo de execução é de 400 dias e que se trata de um investimento governamental de dois milhões e 65 mil euros (cerca de um milhão de euros em pavimentação e 600 mil euros “em obras acessórias”).

Rotundas de Sanfins e Escapães construídas ainda este trimestre

Sobre a conclusão das duas rotundas que começaram a ser construídas em Sanfins (junto aos semáforos) e em Escapães (antes do stand MRCar), não será agora no início de 2019, como o responsável previu que acontecesse, chegando, inclusive, a adiantar isso ao nosso jornal. Mas António Oliveira julga que ainda no primeiro trimestre do ano tal vai ser uma realidade.

Posto isso, avançarão para a construção da terceira rotunda no cruzamento com a rua da Gândara que dá acesso à superfície comercial Recheio – Cash and Carry e à Staples, e “para as pavimentações”.

A obra consiste na reabilitação estrutural do pavimento; reformulação das intersecções aos km 17,65, 18,100 e 18,950, através da construção de três rotundas; requalificação dos sistemas de drenagem; renovação, readaptação da sinalização horizontal, vertical e dos equipamentos de segurança; iluminação pública nas novas rotundas; barreiras acústicas; e trabalhos de integração paisagística. A ideia é melhorar as condições de segurança e acessibilidade aos milhares de condutores que diariamente circulam nesta via, entre os quais muitos sanjoanenses.

Já a reabilitação da ER227/IC2 entre S. João da Madeira e Vale de Cambra, cujo tempo de duração previsto é de 360 dias, representa um investimento na ordem dos 1,6 milhões de euros, em que mais de um milhão de euros é para “pavimentação”.

São várias as intervenções a levar a cabo com o objetivo de “melhorar as condições de circulação e segurança”. A saber: reabilitação estrutural do pavimento; requalificação dos sistemas de drenagem; renovação, readaptação e complemento da sinalização vertical e dos equipamentos de segurança; marcação horizontal; e trabalhos complementares (iluminação pública e paisagismo).

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui