As novidades não se ficam por aqui. As declamações de poesia chegam ao TUS e ao Mercado

A programação da 17.ª edição da Poesia à Mesa vai marcar a diferença com três momentos em particular, para além dos tradicionais, como homenagem aos poetas Ondjaki, Adília Lopes, Sidónio Muralha, Ana Paula Inácio, Carlos Tê e Almeida Garrett. Estamos a falar de momentos como “Tome um poema pela sua saúde”, nos dias 13 e 20 de março, no Centro de Saúde. Nestes dias, os médicos além de passarem as receitas ditas normais, também vão passar “receitas poéticas” aos seus utentes. A poesia chegará ainda ao Centro de Saúde através de intervenções de Paulo Condessa que é comissário da Poesia à Mesa juntamente com José Fanha.

Os outros momentos de estreia são “Poesia no Autocarro” e “Mercado de Poesia”. O primeiro está marcado para os dias 19 e 21 de março, na linha verde do TUS, em que a poesia vai ser servida em andamento pela voz dos poetas da CERCI e da Universidade Sénior. O segundo levará a declamação poética ao Mercado Municipal, bem como a distribuição de poesia aos vendedores e aos clientes, no dia 23 de março, pelas 10h00.

Para o Município de S. João da Madeira, é “muito importante cuidar dos poetas e da poesia” e por isso é que a Poesia à Mesa – “um festival muito importante no panorama nacional” – é encarada como “uma das missões mais importantes que temos para levar adiante”, disse o presidente Jorge Sequeira, durante a apresentação da programação da edição deste ano, no dia 25 de fevereiro, nos Paços da Cultura.

Esta iniciativa é “extraordinária” porque “leva a poesia a pessoas e a sítios improváveis” e única porque “isto só acontece em S. João da Madeira”, salientou Jorge Sequeira, promovendo este “mês poético onde todos poderão vibrar com a poesia”.

A apresentação da programação deste ano contou ainda com um momento que juntou poesia e música com Paulo Condessa a declamar poemas de Manuel António Pina, Manuel Barros, Adília Lopes, Ondjaki e Almeida Garrett, e Sérgio Correia na guitarra.

Uma outra intervenção foi a de Mariana Amorim, psicóloga na CERCI, em nome do grupo “Voz Atrevida” formado por utentes da CERCI que participaram pela primeira vez na Peregrinação Poética da edição da Poesia à Mesa de 2018. E a “Voz Atrevida” dos 14 poetas da CERCI vai chegar, este ano, novamente à Peregrinação e pela primeira vez às pessoas que utilizam o TUS. “Na CERCI sentimos e criamos” e “vamos orgulhosamente fazer arte no grande palco da nossa cidade”, disse Mariana Amorim, que desta forma pretende desmistificar o estigma imposto pela sociedade a pessoas que efetivamente têm limitações, mas que aprendem a lidar, a contornar e a superar cada uma delas. Os poetas da CERCI, como qualquer outra pessoa, qualquer outro poeta, vão demonstrar que “a arte, neste caso a poesia, tem o dom de chegar mais perto do coração e despertar emoções”, assegurou Mariana Amorim.

Peregrinação Poética com Adolfo Luxúria Canibal começa e acaba na Biblioteca

Os momentos tradicionais da Poesia à Mesa também vão ter algumas alterações na edição deste ano.

“A Peregrinação Poética começa e acaba na Biblioteca Municipal Dr. Renato Araújo, onde tudo começou”, revelou Graça Neves, responsável deste equipamento cultural, aos presentes.

A Peregrinação Poética contará com a presença de Adolfo Luxúria Canibal, vocalista e fundador dos Mão Morta, que vai juntar a sua voz inconfundível à declamação de poemas em cada uma das estações poéticas protagonizadas pelos diversos grupos poéticos da cidade no dia 22 de março, às 22h00. A coordenação volta a ser de José Fanha e Paulo Condessa e a animação de rua continua a ser atribuída aos Anima Dixie. As estações poéticas vão ser interpretadas pela APROJ com poemas de Ana Paula Inácio, a Associação Luís Lima e a tertúlia Fugas Poéticas com poemas de Carlos Tê, a CERCI com poemas de Sidónio Muralha, a Associação de Jovens Ecos Urbanos com poemas de Ondjaki, o Grupo de Teatro da Oliveira Júnior (TOJ) com poemas de Adília Lopes e a Universidade Sénior com poemas de Almeida Garrett.

O Serão Poético com São José Lapa e o Mestre António Chaínho está marcado para o dia 23 de março, pelas 22h00, na Casa da Criatividade.

Uma das noites mais intimistas e informal da Poesia à Mesa reúne dois ícones da cultura portuguesa, a atriz e encenadora e o guitarrista e compositor, e será conduzida por José Fanha e Paulo Condessa. Um momento onde não faltará poesia, música e, certamente, histórias que ficarão para a história da cultura de S. João da Madeira. Os bilhetes custam três euros e podem ser comprados em www.bol.pt, Paços da Cultura, Turismo Industrial, entre outros locais.

Poesia: fora do Sítio e Jazz

A “Poesia Fora do Sítio” é uma atividade experimental e informal de leitura de poemas com o performer Paulo Condessa e alunos das escolas sanjoanenses programada para o dia 16 de março, pelas 11h00, no Centro Comercial 8ª Avenida, podendo participar qualquer pessoa com coragem para dar a conhecer a sua veia poética.

O projeto “Poesia & Jazz” é uma experiência em que Nicolau Santos dá a sua voz à poesia e o Quarteto de Manuel Lourenço cria o ambiente jazzístico juntamente com Cláudia Franco através da sua voz que é uma das revelações do jazz no panorama nacional.

O resultado da junção destas formas de expressão, poesia e jazz, pode ser visto no dia 16 de março, pelas 22h00, nos Paços da Cultura. Os bilhetes custam três euros e podem ser comprados em www.bol.pt, Paços da Cultura, Turismo Industrial, entre outros locais.

Marçal Correia poderá declamar poemas do pai, João da Silva Correia, na Tertúlia dos Poetas Sanjoanenses

A Poesia à Mesa também chegará ao público escolar através dos espetáculos “O Copo” e “Entre Estrelas e Estrelinhas” marcados para os dias 19, às 15h00, na Casa da Criatividade e 20, às 9h30, 11h00, 14h00 e 15h30, nos Paços da Cultura, respetivamente.  O primeiro espetáculo contará com as interpretações poéticas do clássico ao contemporâneo, do conservador ao irreverente, em tom sério, boémio, contido ou contente de Paulo Condessa e Nuno Moura. Já o segundo espetáculo vai falar de ciência a crianças dos três aos 10 anos através de poesia e de canções. Uma aposta de José Fanha e Daniel Completo que contará com a colaboração do professor Carlos Fiolhais.

A tradicional Tertúlia dos Poetas Sanjoanenses realiza-se no dia 21 de março, pelas 18h00, na Biblioteca Municipal Dr. Renato Araújo.

Um momento de encontro entre poetas que nasceram ou residem em S. João da Madeira que, ao longo dos anos, tem contado com a presença de familiares daqueles que já não estão entre nós. A tertúlia deste ano poderá contar com a presença de Marçal Correia para declamar poemas de seu pai, o escritor João da Silva Correia, anunciou Graça Neves.

 

Programação da Poesia à Mesa

 

Dia 1 de março, às 22h00

Lisbon Poetry Orchestra na Casa da Criatividade

DR

Um coletivo multidisciplinar formado por um núcleo de quatro músicos – Alexandre Cortez, Filipe Valentim, Luís Bastos e Tiago Inuit – convida outras pessoas a interpretar e a reinventar a poesia no dia 1 de março, pelas 22h00, na Casa da Criatividade. Os bilhetes custam entre os cinco e os 8,50 euros e podem ser comprados em www.bol.pt, Paços da Cultura, Turismo Industrial, entre outros locais.

 

Dia 4 de março

Exposição Bibliográfica “De Passagem…Pelas Antologias Poéticas”

No âmbito da comemoração do Dia Mundial da Poesia, a 21 de março, e da Poesia à Mesa, ao longo de todo o mês de março, a Biblioteca Municipal pretende dar a conhecer através desta exposição todo o espólio de antologias poéticas e fomentar o gosto pela poesia junto da comunidade.

Dia 4 de março

Poesia na Corda

A Poesia na Corda regressa aos “estendais da roupa” que vão passar a ser “estendais de poemas” de 4 a 23 de março na Praça Luís Ribeiro, como tem sido habitual, e com extensão, este ano, ao Centro Comercial 8ª Avenida.

O concurso, organizado pela Associação de Jovens Ecos Urbanos e pela Biblioteca Municipal, tem o intuito de receber poemas de toda a comunidade que serão “estendidos” nestes dois locais da cidade. A cerimónia de entrega dos prémios da Poesia na Corda vai realizar-se no dia 5 de abril, pelas 18h00, na Biblioteca Municipal Dr. Renato Araújo.

Dia 8 de março, às 18h00

Exposição de pintura e poesia de Adão Cruz

Arquivo Labor

A inauguração da exposição de pintura e de poesia “…Como um dia de primavera nos olhos de um prisioneiro” de Adão Cruz está marcada para o dia 8 de março, pelas 18h00, na Biblioteca Municipal Dr. Renato Araújo.

O médico cardiologista começou a pintar por volta da década de 80 e nunca mais parou. O título desta exposição “…como um dia de primavera nos olhos de um prisioneiro” “parece uma coisa sem sentido nenhum, mas não é”, disse o pintor e poeta quando inaugurou esta mesma exposição na Galeria Zeller, em Espinho, ao labor.

O sentido do título da exposição, das obras e dos poemas de Adão Cruz vão ser dados a conhecer na inauguração da sua exposição.

De 16 a 23 de março

Poesia nos restaurantes

A “Poesia” volta a ser servida literalmente à “Mesa”, de 16 a 23 de março, nos restaurantes aderentes. A saber Tudo aos Molhos, Neptúlia Bar, Oliva Palito, Bacana, Ponto Zero, Mutamba, Taberna do Zé, Bonzão, Harpa, Fénix, Aconchego do Quintal, Ideias Café e Fábrica dos Sentidos. Um momento de declamação de poesia protagonizado por Paulo Condessa.

De 18 a 22 de março

Poesia nas fábricas

As pessoas e as máquinas vão parar por momentos nas fábricas, de 18 a 22 de março, para que possa ser ouvida poesia declamada por Paulo Condessa, mas não só. Esta tradição que une a poesia e a indústria levou a que alguns dos funcionários declamassem poemas da sua autoria ou de outros poetas.

As fábricas aderentes são Helsar, Bulhosas, Evereste, Viarco, Heliotextil, Flexitex e Academia de Design de Calçado.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui