Iniciativa traz este sábado, pelas 22h00, aos Paços da Cultura o jornalista Nicolau Santos acompanhado pelo Quarteto Manuel Lourenço e por Cláudia Franco  

Promovida pelo Município, a homenagem aos poetas Ondjaki, Adília Lopes, Sidónio Muralha, Ana Paula Inácio, Carlos Tê e Almeida Garrett prossegue em vários locais da cidade, no âmbito de mais uma Campanha Poesia à Mesa, até 5 de abril.

Até agora, desde o início do mês, o festival de poesia comissariado pelos escritores Paulo Condessa e José Fanha já trouxe a S. João da Madeira (SJM) a Lisbon Poetry Orchestra, para um espetáculo que marcou o arranque da programação, e também o médico, pintor e escritor Adão Cruz para a inauguração da exposição de pintura e poesia “… como um dia de primavera nos olhos de um prisioneiro”, da sua autoria, patente ao público na Biblioteca Municipal (BM) Dr. Renato Araújo até 20 de abril.

Ainda na BM pode ser apreciada até ao fim do mês a exposição bibliográfica “De passagem… pelas antologias poéticas”, iniciativa levada a cabo também para assinalar o Dia Mundial da Poesia (21 de março).

Entretanto, já este sábado, dia 16, pelas 22h00, sobem ao palco do auditório dos Paços da Cultura Nicolau Santos acompanhado pelo Quarteto Manuel Lourenço e por Cláudia Franco. Poesia & Jazz é um dos grandes momentos da 17.ª edição da Poesia à Mesa, tratando-se de “uma experiência que se traduz em poesia dita pelo jornalista Nicolau Santos sobre uma base musical de ambiente jazzístico da responsabilidade do Quarteto Manuel Lourenço e da cantora-revelação do jazz português Cláudia Franco”.

Estamos perante uma ideia que junta temas dos grandes mestres do jazz a abordagens rítmicas e melódicas da poesia dos grandes poetas portugueses e brasileiros, bem como poesia original de Nicolau Santos.

De poesia e jazz se faz este concerto. E a junção destas duas formas de expressão transporta o público, de forma natural, para um “universo quase cinematográfico”, deixando a sua criatividade trazer as imagens às palavras suportadas por uma “banda sonora”.

O bilhete custa três euros e pode ser adquirido em www.bol.pt, Paços da Cultura, Turismo Industrial, etc..

Peregrinação dia 22 com Adolfo Luxúria Canibal

Outros dois pontos altos do evento são a Peregrinação e o Serão Poético, sempre em duas noites consecutivas. Este ano, a Peregrinação decorre a 22 de março, começando e acabando na Biblioteca Municipal e contando com a presença do carismático Adolfo Luxúria Canibal, vocalista e fundador da banda Mão Morta.

Estando a animação de rua novamente sob a responsabilidade do grupo Anima Dixie, a Peregrinação de 2019 tem como participantes a APROJ – Associação de Promoção da Juventude na estação poética de Ana Paula Inácio, Associação Cultural Luís Lima e Fugas Poéticas (Carlos Tê), CERCI (Sidónio Muralha), Associação de Jovens Ecos Urbanos (Ondjaki), TOJ (Adília Lopes) e Universidade Sénior (Almeida Garret).

Serão Poético dia 23 com São José Lapa e António Chainho

Já no dia 23, pelas 22h00, a Casa da Criatividade acolhe o Serão Poético que, desta vez, reúne dois ícones da cultura nacional, nomeadamente a atriz e encenadora São José Lapa e o guitarrista e compositor mestre António Chaínho. Num Serão Poético desprovido de formalidades e conduzido pelo poeta José Fanha e pelo performer Paulo Condessa, a música e a poesia ganham forma na pureza do dedilhado do embaixador da guitarra e na emoção das palavras de uma grande senhora dos palcos.

Com exceção da Peregrinação Poética que, à semelhança da generalidade do programa, é de participação livre, o ingresso deste espetáculo tem um custo de três euros e pode ser comprado nos locais habituais.

Programação 

Poesia na Corda

Até 23 de março os estendais trocam a roupa por poemas escritos e pendurados por quem passa. Organizado pela Associação de Jovens Ecos Urbanos e pela Biblioteca Municipal (BM) Dr. Renato Araújo, Poesia na Corda é um concurso aberto a todos.

O objetivo é levar qualquer pessoa a despertar a veia poética que há dentro de si e a escrever um poema para este concurso que pendura os poemas dos participantes em estendais na Praça Luís Ribeiro e, este ano pela primeira vez, no Centro Comercial 8ª Avenida.

Poesia na Corda decorre até 23 de março, estendendo-se ainda às empresas aderentes da Poesia à Mesa (Helsar, Bulhosas, Evereste, Viarco, Heliotextil) e à Academia de Design de Calçado, bem como através da Rede de Bibliotecas Escolares.

Podem concorrer crianças até aos 12 anos, jovens dos 12 aos 25 anos e adultos com mais de 25 anos, com poemas sobre os temas ambiente, amor, indústria e comunidade e outros. Os poemas originais devem de ser enviados para geral@ecosurbanos.pt com o assunto “Poesia na Corda 2019”.

Já a cerimónia de entrega de prémios está marcada para 5 de abril, pelas 18h00, na BM Dr. Renato Araújo.

 

Oficinas poéticas nas escolas

Ao longo desta semana, as escolas do 1.º ciclo recebem oficinas poéticas. Até amanhã, sexta-feira, um performer lê poemas de forma pouco habitual, com toda a liberdade, usando a voz, o corpo, o ritmo e outras subtilezas criando lugar para que a experimentação aconteça. Aliás, alguns dos alunos vão ser declamadores voluntários na Poesia Fora do Sítio, que acontece este sábado, pelas 11h00, no Centro Comercial 8ª Avenida.

 

Declamações nos restaurantes e fábricas

A poesia volta a ser servida literalmente “à mesa”, de 16 a 23 de março, nos restaurantes Tudo aos Molhos, Neptúlia Bar, Oliva Palito, Bacana, Ponto Zero, Mutamba, Taberna do Zé, Bonzão, Harpa, Fénix, Aconchego do Quintal, Ideias Café e Fábrica dos Sentidos. As declamações de poemas contam com a presença de Paulo Condessa, que é com José Fanha, um dos comissários da Poesia à Mesa.

Já de 18 a 22 de março, os trabalhadores e as máquinas também vão parar nas fábricas para que possa ser ouvida poesia declamada por Paulo Condessa e não só. Esta tradição que une a poesia e a indústria levou a que alguns dos funcionários declamassem poemas da sua autoria ou de outros poetas. As fábricas aderentes são Helsar, Bulhosas, Evereste, Viarco, Heliotextil, Flexitex, bem como a Academia de Design de Calçado.

 

“Tome um poema pela sua saúde”

É uma das novidades desta 17.ª edição da Poesia à Mesa e começou já ontem, quarta-feira, às 14h00, no Centro de Saúde de S. João da Madeira. Dia 20 há novamente “receitas poéticas”, mas de manhã, a partir das 10h00.

Assim, na próxima quarta-feira, à semelhança do que aconteceu no dia 13, os médicos, além de passarem as receitas ditas normais, também vão passar “receitas poéticas” aos seus utentes. Além disso, haverá lugar a duas intervenções poéticas com o poeta Paulo Condessa.

 

Poesia Fora do Sítio

Dia 16, pelas 11h00, o Centro Comercial 8ª Avenida acolhe, também no âmbito da Poesia à Mesa, a iniciativa Poesia Fora do Sítio.

Trata-se de uma atividade experimental e informal de leitura de poemas, sobretudo para os mais novos, com o performer Paulo Condessa e alunos das escolas de S. João da Madeira. No final, o microfone está aberto para quem quiser dizer poemas.

 

Poesia no TUS

 Pela primeira vez, a Poesia à Mesa é servida em andamento e a alta velocidade poética. Na Linha Verde dos Transportes Urbanos Municipais – TUS, os passageiros vão poder ver e ouvir os poetas da CERCI e da Universidade Sénior de S. João da Madeira, nos dias 19 (10h25) e 21 (14h00), respetivamente.

 

Espetáculos para os mais novos

 Na próxima terça-feira, pelas 15h00, sobe ao palco da Casa da Criatividade o espetáculo juvenil “O copo – poesia de entretenimento científico”, com a participação dos quiçá “malucos”, mas também “originais”, Paulo Condessa e Nuno Moura. Os mais novos vão ver “duas bocas, quatro braços e outras tantas pernas, a dizerem poemas em coro sincronizado”.

No dia seguinte, às 9h30, 11h00, 14h00 e 15h30, é a vez do espetáculo infantil “Entre estrelas e estrelinhas” “fazer as delícias” dos miúdos nos Paços da Cultura.  Falar de ciência a meninos dos 3 aos 10 anos através de poesia e canções foi a aposta de Daniel Completo e José Fanha com a colaboração do professor Carlos Fiolhais, da qual resultou um livro/disco único que convida as crianças a soltarem a sua imaginação, a fazerem perguntas, a observarem e a experimentarem.

 

Tertúlia dos Poetas Sanjoanenses

 As tertúlias poéticas têm tido um lugar privilegiado na Poesia à Mesa, destacando-se a Tertúlia dos Poetas Sanjoanenses na qual, a cada ano, aumenta o número de poetas que nasceram ou residem em S. João da Madeira e que nela participam.

A Tertúlia dos Poetas Sanjoanenses desta edição está marcada para 21 de março, pelas 18h00, na Biblioteca Municipal Dr. Renato Araújo. Conta com um momento musical de concertina protagonizado por Cláudia Pereira e, entre os convidados especiais, com Marçal Correia, filho do escritor João da Silva Correia.

 

Mercado de Poesia

Este ano, pela primeira vez, também vai ser servida poesia no Mercado Municipal de S. João da Madeira, com a colaboração dos grupos poéticos da cidade. Dia 23 de março, pelas 10h00, este improvável local vai ser “polvilhado” com leituras personalizadas, aqui e ali, cara a cara, havendo lugar também para a distribuição de poemas ao acaso.

Vendedores e clientes vão ser contagiados por uma espécie de guerrilha poética que vai tentar desarrumar, no sentido positivo, o pacato sábado dos sanjoanenses.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui