Comemorações da Revolução de 74 terminaram este último domingo com inauguração de mural e instalação de chaimite na Rua do Poder Local

 

Foi uma tarde na qual o “povo foi rei e senhor” e que ficará para a história de S. João da Madeira (SJM). No passado domingo, os sanjoanenses, em particular os moradores da Rua do Poder Local, saíram à rua para celebrar Abril.

Prevista inicialmente para o feriado do 25 de Abril, a inauguração do mural da autoria do artista urbano Frederico Draw e da colocação de uma chaimite naquela zona de Fundo de Vila foi adiada, devido ao mau tempo, para o último fim de semana. E digamos que nem a organização – leia-se Assembleia Municipal (AM) e Câmara Municipal (CM) -nem o público ficaram a perder, pois o dia convidava a sair de casa. Muitas famílias fizeram questão de participar neste momento histórico para a cidade de SJM, não escondendo a emoção de o poderem testemunhar.

Aqueles que vivem na Rua do Poder Local, assim como os que até ali se deslocaram, tiveram direito a uma verdadeira festa, à qual não faltaram a música, o teatro de rua e a declamação de poesia. A animação foi assegurada pelo Coro de Câmara, grupo de teatro TOJ, Oficina da Artistas – Ecos Urbanos, Universidade Sénior e Banda de Música de S. João da Madeira.

Do programa constou ainda o ato inaugural da instalação artística que agora pode ser vista na fachada de um dos prédios de habitação social do Município, na Rua do Poder Local, tendo como elemento central a figura de Salgueiro Maia (1944-1992). Recorde-se que foi a este capitão de Abril que coube comandar a coluna de veículos blindados que saiu de Santarém para o Terreiro do Paço e que acabou por levar à rendição do presidente do Conselho de Ministros de Portugal, Marcello Caetano.

Frederico Draw não esteve presente na ocasião. No entanto, Jorge Sequeira fez questão de dirigir umas palavras ao “artista que pintou esta obra absolutamente singular que imortaliza, entre nós, um dos heróis do 25 de Abril, porventura, o mais humilde de todos [Salgueiro Maia]”. Segundo o presidente da CM, Frederico Draw “ficará também na história da nossa cidade por esta obra que valoriza o nosso território e a nossa cultura e dá uma nova vida a este local”.

Além disso, houve lugar à assinatura do protocolo de cedência ao Município da viatura militar blindada semelhante à que Salgueiro Maia comandou nas operações do dia 25 de Abril de 1974, que está instalada naquele espaço público da cidade desde 28 de abril.O general Francisco Xavier e o autarca Jorge Sequeira assinaram o documento em representação, respetivamente, do Exército Português e da autarquia de SJM.

Município empenhado em “reforçar a paz, a liberdade e a democracia”

Com esta iniciativa, a CM sanjoanense deu mostras de que está empenhada em “reforçar a paz, a liberdade e a democracia”. “O mais importante numa sociedade é o bem-estar e a paz e nós, agentes públicos, na nossa ação, devemos contribuir para reforçar esses pilares, transmitindo uma mensagem de paz, liberdade e democracia”, defendeu Jorge Sequeira indo ao encontro daquilo que o general Francisco Xavier havia dito antes.

E por falar no general, o edil agradeceu ao Exército “a colaboração e a cedência desta viatura chaimite”, bem como à líder da AM, Clara Reis, que “foi o grande motor desta iniciativa”, e “aos moradores que desde a primeira hora acolheram com muito entusiasmo esta iniciativa, em particular aos proprietários do prédio que deram o seu acordo e consentimento”.

Chaimite ficará na Rua do Poder Local por tempo indeterminado

A chaimite foi cedida à CM a título gratuito e por tempo indeterminado. A partir de agora, todos podem apreciar este “símbolo histórico”, como lhe chamou o general Francisco Xavier, na Rua do Poder Local.

Um veículo do género “foi algo que nos protegeu algures numa guerra onde muitos de nós estivemos, mas também foi o símbolo de um momento em que houve a transição para a democracia. Foi numa viatura deste tipo que foi transportado, na altura, o professor Marcello Caetano para fazer a transição do poder sob a égide de Salgueiro Maia”. Mas também “é um símbolo da paz”, porque “esta viatura [em concreto] esteve na Bósnia, no Kosovo, onde construímos a paz”, à semelhança do que ainda o Exército faz hoje no Afeganistão, Iraque, etc..

“Quando lembramos Abril lembramos a democracia”, sublinhou o representante das Forças Armadas, para quem “lembrar o 25 de Abril é lembrar que todos estamos imbuídos de uma mesma prática: construir a paz, a democracia e, sobretudo, o bem-estar de todos”.

 

VOX POP

 

GN

 

Susana Teixeira, 45 anos, SJM

“Tanto o mural como a chaimite vêm dar mais valor e mais vida ao nosso bairro. Não tenho dúvidas que vão passar a ser um ponto de referência.”

 

GN

Ilda Teixeira, 63 anos, SJM

“O mural é qualquer coisa fora de série. E a chaimite lembra-nos os tempos que estão para trás e que nos deixam alguma saudade. Ambos são interessantes e uma mais-valia para o bairro.”

 

GN

João Pedro Moreira, 60 anos, SJM

“Acho muito bonito e interessante. É uma mais-valia para esta zona da cidade.”

 

GN

 

Manuel Nunes, 75 anos, SJM

“É um momento maravilhoso, aqui, para a Rua do Poder Local. Trata-se de uma iniciativa que caiu bem aos moradores, que já há muito tempo não tinham este convívio. O senhor presidente da câmara escolheu bem o local. Faço votos para que ele continue a engrandecer S. João da Madeira.”

 

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui