Depois de ter anunciado, há alguns meses, em reunião de direção, que não se iria recandidatar para dar continuidade ao trabalho que desde 2011 tem vindo a exercer como presidente da Associação Desportiva Sanjoanense, anunciando mesmo o nome de Manuel Correia como candidato, Luís Vargas voltou atrás e ontem manifestou a sua intenção de apresentar uma lista. “Achava que era altura de entrarem novos intervenientes, mas há cerca de três semanas fui confrontado, em reunião de direção, com o apoio expresso de quase todas as secções para que me recandidatasse. Como sou um homem de consensos, e como tinha dado a minha palavra que não iria continuar, ponderei durante estes dias, mas como coloco os interesses da Sanjoanense acima de tudo, decidi avançar com uma recandidatura”, explica o dirigente, assegurando que esta tomada de posição é também “para que exista estabilidade no clube”. “Estes oito anos foram muito difíceis em todos os aspetos, para hoje chegarmos a uma situação que caminha, a passos largos, para a estabilidade, tanto financeira, como organizacional e competitiva””, explica Luís Vargas, que na tentativa de evitar “divisões no clube” vai procurar, antes das eleições, a “conciliação entre as duas listas”.

“Consenso, orgulho no passado, estabilidade no presente e projetar o futuro” é o lema do atual dirigente para a sua recandidatura, onde as várias secções parecem ter um papel preponderante. “Revejo-me nas modalidades”, sublinha Luís Vargas, assegurando que a sua continuidade tem como base “o consenso e a gestão das várias realidades dentro das secções”. “Sempre defendi e sou intransigente nisso”, garante o dirigente, frisando ainda que defende, “sem restrições”, o “ecletismo do clube” e, acima de tudo, a “igualdade de género”.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui