Três na categoria geral e três na categoria juventude

 

O Orçamento Participativo S. João da Madeira, organizado em conjunto pela câmara e pela junta, vai concretizar seis das 37 propostas que estiveram à votação até ao fim do mês de junho.

Os resultados das votações foram tornados públicos no dia 1 de julho e permitiram-nos perceber quem foram os vencedores de cada uma das três categorias antes da apresentação pública cuja data ainda não foi divulgada pelos responsáveis do Orçamento Participativo.

A categoria Geral para propostas até 15 mil euros que vão ser executadas pela junta de freguesia teve apenas um vencedor.

Das 11 propostas que concorreram e estiveram à votação nesta categoria, o “Parque Infantil Adaptado” de Maria Teresa Melo foi a proposta mais votada ao receber 244 votos.

O objetivo é, tal como o próprio nome indica, criar um parque infantil adaptado para crianças com necessidades especiais, com mobilidade reduzida e com dificuldades motoras e/ou intelectuais. O projeto inclui um baloiço adaptado para cadeira de rodas e um parque adaptado com escorrega com uma plataforma de fácil acesso, segundo a informação disponibilizada no site do Orçamento Participativo

Como este projeto tem um orçamento de 14 mil euros, sobram 1.000 euros que podem ser aplicados a um outro projeto desta categoria desde que o seu orçamento não exceda este valor. Ao analisarmos as propostas seguintes, desde a mais votada até à menos votada, percebemos que o orçamento de todas elas excede os 1.000 euros. Por essa razão, mais nenhuma proposta poderá ser executada nesta categoria.

Restaurante social e reabilitação de espaço desportivo e infantil

Já a categoria Geral para propostas com valor maior do que 15 mil euros e até 70 mil euros que vão ser executadas pela câmara municipal teve dois vencedores entre 17 propostas concorrentes.

A proposta “Senta.com” de Ana Almeida no valor de 50 mil euros recebeu 215 votos e a “Reabilitação de Espaço Desportivo e Infantil” de Vera Teixeira no valor de 20 mil euros recebeu 147 votos. Estes dois projetos, primeiro e terceiro mais votados, esgotam a verba de 70 mil euros dedicada a esta categoria. Apesar da proposta “Bombeiros – Equipamentos de Proteção Individual (EPI´s)” de Carlos Coelho em nome da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de S. João da Madeirater sido a segunda mais votada ao recolher 152 votos, o seu orçamento no valor de 69.632,05 euros excede o orçamento remanescente no valor de 20 mil euros. levando a que a terceira mais votada e com um orçamento igual ao do valor remanescente nesta categoria fosse uma das vencedoras. A proposta “Senta.com” quer criar um espaço digno onde se servem refeições a pessoas sem-abrigo, a residir em quarto de pensão e isoladas sem condições para cozinhar uma refeição e tem como principais parceiros o Centro Humanitário da Cruz Vermelha, o Centro Comunitário Porta Aberta e o Centro Comunitário dos Ecos Urbanos, a Segurança Social, a ACAIS e o Banco Local de Voluntariado. Além disso, tem prevista uma articulação com a Cantina Social da Misericórdia e da ACAIS. As obras de requalificação vão decorrer no espaço existente nas instalações do Trilho que é uma valência da Misericórdia.

O objetivo da proposta de “Reabilitação de Espaço Desportivo e Infantil” é a intervenção no campo desportivo e no parque infantil da EB1/JI Conde Dias Garcia devido à falta de condições para a execução de “modalidades, nomeadamente jogos, brincadeiras e prática desportiva, fomentando assim a interatividade do corpo escolar com a comunidade em geral”, descreveu a proponente no site do Orçamento Participativo.

Fisioterapia, Atividade Física e Jogo sobre Violência Doméstica e no Namoro, Tráfico de Seres Humanos e Igualdade de Género

Por sua vez, a categoria Juventude tem um orçamento de 15 mil euros para propostas que vão ser executadas pela câmara e vai executar três das quatro propostas que tinha à votação.

A proposta “Posto de Fisioterapia no Pavilhão das Travessas” de António Moreira no valor de 4.000 euros foi a mais votada ao receber 456 votos. A segunda proposta mais votada com 445 votos foi “Incentivo Social à Atividade Física” de Bruno Cassoni no valor de 2.500 euros e a terceira mais votada com 214 votos foi “Fazer a Diferença com o Fê – O Jogo” de Beatriz Correia no valor de 6.500 euros.

O orçamento que restava no valor de 2.000 euros não foi suficiente para concretizar a proposta “Tour Detection” de Pedro Rocha no valor de 3.000 euros.

O objetivo do Posto de Fisioterapia é “equipar o posto médico que o Dínamo Sanjoanense pretende tornar numa clínica de fisioterapia, nas Travessas, para poder tratar os mais de 100 atletas e abrir aos utilizadores das Travessas (todas as modalidades que lá treinam e que se protocolem com o nosso Clube)”, explica o proponente na proposta apresentada no site do Orçamento Participativo.

A proposta “Incentivo Social à Atividade Física” pretende comprar material que permita criar condições materiais, desportivas e recreativas que necessitam para conseguirem chegar ao maior número de pessoas possível no campo físico, segundo a proposta apresentada no site do Orçamento Participativo, onde é explicado que“a Associação de Moradores do Orreiro, em conjunto com o Atletismo dos Serviços Sociais, tem criado uma dinâmica de interação e inclusão com moradores e não moradores de todas as faixas etárias”.

Já a proposta “Fazer a Diferença com o Fê – O Jogo” pretende aplicar este jogo nas escolas; noutros estabelecimentos de ensino; nas associações desportivas com crianças e jovens; nas respostas sociais com crianças e jovens; nos campos de férias; e entre outros eventos e locais. Este jogo de tabuleiro à escala humana está dividido em três temas – Violência Doméstica e no Namoro, Tráfico de Seres Humanos e Igualdade de Género – que resultam de três grandes áreas de intervenção do Centro Humanitário da Cruz Vermelha de S. João da Madeira.

 

 

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui