Três na categoria geral e três na categoria juventude

 

O Orçamento Participativo S. João da Madeira, organizado em conjunto pela câmara e pela junta, vai concretizar seis das 37 propostas que estiveram à votação até ao fim do mês de junho.

Os resultados das votações foram tornados públicos no dia 1 de julho e permitiram-nos perceber quem foram os vencedores de cada uma das três categorias antes da apresentação pública cuja data ainda não foi divulgada pelos responsáveis do Orçamento Participativo.

A categoria Geral para propostas até 15 mil euros que vão ser executadas pela junta de freguesia teve apenas um vencedor.

Das 11 propostas que concorreram e estiveram à votação nesta categoria, o “Parque Infantil Adaptado” de Maria Teresa Melo foi a proposta mais votada ao receber 244 votos.

O objetivo é, tal como o próprio nome indica, criar um parque infantil adaptado para crianças com necessidades especiais, com mobilidade reduzida e com dificuldades motoras e/ou intelectuais. O projeto inclui um baloiço adaptado para cadeira de rodas e um parque adaptado com escorrega com uma plataforma de fácil acesso, segundo a informação disponibilizada no site do Orçamento Participativo

Como este projeto tem um orçamento de 14 mil euros, sobram 1.000 euros que podem ser aplicados a um outro projeto desta categoria desde que o seu orçamento não exceda este valor. Ao analisarmos as propostas seguintes, desde a mais votada até à menos votada, percebemos que o orçamento de todas elas excede os 1.000 euros. Por essa razão, mais nenhuma proposta poderá ser executada nesta categoria.

Restaurante social e reabilitação de espaço desportivo e infantil

Já a categoria Geral para propostas com valor maior do que 15 mil euros e até 70 mil euros que vão ser executadas pela câmara municipal teve dois vencedores entre 17 propostas concorrentes.

A proposta “Senta.com” de Ana Almeida no valor de 50 mil euros recebeu 215 votos e a “Reabilitação de Espaço Desportivo e Infantil” de Vera Teixeira no valor de 20 mil euros recebeu 147 votos. Estes dois projetos, primeiro e terceiro mais votados, esgotam a verba de 70 mil euros dedicada a esta categoria. Apesar da proposta “Bombeiros – Equipamentos de Proteção Individual (EPI´s)” de Carlos Coelho em nome da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de S. João da Madeirater sido a segunda mais votada ao recolher 152 votos, o seu orçamento no valor de 69.632,05 euros excede o orçamento remanescente no valor de 20 mil euros. levando a que a terceira mais votada e com um orçamento igual ao do valor remanescente nesta categoria fosse uma das vencedoras. A proposta “Senta.com” quer criar um espaço digno onde se servem refeições a pessoas sem-abrigo, a residir em quarto de pensão e isoladas sem condições para cozinhar uma refeição e tem como principais parceiros o Centro Humanitário da Cruz Vermelha, o Centro Comunitário Porta Aberta e o Centro Comunitário dos Ecos Urbanos, a Segurança Social, a ACAIS e o Banco Local de Voluntariado. Além disso, tem prevista uma articulação com a Cantina Social da Misericórdia e da ACAIS. As obras de requalificação vão decorrer no espaço existente nas instalações do Trilho que é uma valência da Misericórdia.

O objetivo da proposta de “Reabilitação de Espaço Desportivo e Infantil” é a intervenção no campo desportivo e no parque infantil da EB1/JI Conde Dias Garcia devido à falta de condições para a execução de “modalidades, nomeadamente jogos, brincadeiras e prática desportiva, fomentando assim a interatividade do corpo escolar com a comunidade em geral”, descreveu a proponente no site do Orçamento Participativo.

Fisioterapia, Atividade Física e Jogo sobre Violência Doméstica e no Namoro, Tráfico de Seres Humanos e Igualdade de Género

Por sua vez, a categoria Juventude tem um orçamento de 15 mil euros para propostas que vão ser executadas pela câmara e vai executar três das quatro propostas que tinha à votação.

A proposta “Posto de Fisioterapia no Pavilhão das Travessas” de António Moreira no valor de 4.000 euros foi a mais votada ao receber 456 votos. A segunda proposta mais votada com 445 votos foi “Incentivo Social à Atividade Física” de Bruno Cassoni no valor de 2.500 euros e a terceira mais votada com 214 votos foi “Fazer a Diferença com o Fê – O Jogo” de Beatriz Correia no valor de 6.500 euros.

O orçamento que restava no valor de 2.000 euros não foi suficiente para concretizar a proposta “Tour Detection” de Pedro Rocha no valor de 3.000 euros.

O objetivo do Posto de Fisioterapia é “equipar o posto médico que o Dínamo Sanjoanense pretende tornar numa clínica de fisioterapia, nas Travessas, para poder tratar os mais de 100 atletas e abrir aos utilizadores das Travessas (todas as modalidades que lá treinam e que se protocolem com o nosso Clube)”, explica o proponente na proposta apresentada no site do Orçamento Participativo.

A proposta “Incentivo Social à Atividade Física” pretende comprar material que permita criar condições materiais, desportivas e recreativas que necessitam para conseguirem chegar ao maior número de pessoas possível no campo físico, segundo a proposta apresentada no site do Orçamento Participativo, onde é explicado que“a Associação de Moradores do Orreiro, em conjunto com o Atletismo dos Serviços Sociais, tem criado uma dinâmica de interação e inclusão com moradores e não moradores de todas as faixas etárias”.

Já a proposta “Fazer a Diferença com o Fê – O Jogo” pretende aplicar este jogo nas escolas; noutros estabelecimentos de ensino; nas associações desportivas com crianças e jovens; nas respostas sociais com crianças e jovens; nos campos de férias; e entre outros eventos e locais. Este jogo de tabuleiro à escala humana está dividido em três temas – Violência Doméstica e no Namoro, Tráfico de Seres Humanos e Igualdade de Género – que resultam de três grandes áreas de intervenção do Centro Humanitário da Cruz Vermelha de S. João da Madeira.

 

 

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here