Desafiados pela Assembleia Municipal, em articulação com a câmara, os mais novos participaram em peso no programa comemorativo deste ano

 

“Estamos a fazer história com a celebração da história da nossa cidade”. A afirmação é de Clara Reis, a presidente da Assembleia Municipal que, em articulação com a câmara, desafiou a comunidade educativa de S. João da Madeira (SJM) a participar nas comemorações do 11 de outubro.

Integrada no Projeto Educativo Municipal do ano letivo 2019/2020, a iniciativa “Celebrar a nossa história” tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos sanjoanenses na vida da cidade, tal como já acontece com a Assembleia Municipal Jovem (AMJ), fomentando, neste caso concreto, o interesse das novas gerações pela descoberta da história da sua terra. E o resultado foi bastante apreciado por quem esteve no Fórum Municipal na manhã do feriado em que se comemora a Emancipação Concelhia de SJM.

Após o hastear das bandeiras no átrio do edifício camarário, que contou com a presença da Fanfarra da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de S. João da Madeira, houve uma atuação musical e a “construção do mapa das indústrias sanjoanenses” pelo Centro de Educação Integral (CEI), momento em que também participou a Banda de Música da terra. Minutos depois, foi inaugurada uma exposição sobre artes e ofícios, emigração, história e indústria do concelho.

GN

“É notável que uma pequena povoação [como SJM] tenha tido capacidade de persuadir os decisores nacionais”

Na passada sexta-feira, Jorge Sequeira estava visivelmente orgulhoso do município que gere a nível político. O presidente da câmara encerrou o período das intervenções da sessão solene, tendo feito uma espécie de “viagem no tempo” que durou pouco mais de 17 minutos

O autarca regressou ao passado, mais concretamente a 12 de abril de 1923, altura em que um grupo de jovens sanjoanenses fundou o Grupo Patriótico Sanjoanense. Presidido por António Henriques que, entretanto, tinha regressado do Brasil onde tinha estado emigrado, o Grupo Patriótico Sanjoanense “dedicou-se a várias iniciativas e tarefas de caráter filantrópico e a realizar melhoramentos na nossa cidade”. Mas a autonomia política e administrativa de S. João da Madeira foi desde sempre o seu “propósito maior”, o que veio a acontecer a 11 de outubro de 1926.

Nesse dia, como contou Jorge Sequeira, “os poderes públicos nacionais decretaram a desanexação da freguesia de S. João da Madeira do concelho de Oliveira de Azeméis e constituíram o concelho de S. João da Madeira com uma única freguesia”. Ato que, “por causa do contexto em que acontece [período de transição de regimes], merece um lugar especial na história da autonomia administrativa do país”.

Em seu entender, “é notável que uma pequena povoação [como SJM] tenha tido capacidade de persuadir os decisores nacionais”. E, por isso, conforme adiantou, “havemos de fazer essa história, compreender passo a passo, perceber momento a momento, palavra a palavra, o que foi dito, sugerido, argumentado” tendo em vista a tão ansiada autonomia.

Para já, existe o “elenco de razões” que constam do “diploma legal” que a atesta. De acordo com Jorge Sequeira, tendo por base o documento, “reconhecia-se que S. João da Madeira era o núcleo industrial mais poderoso do distrito”, “um potentado em termos económicos e industriais”. Também se considerava que “o seu potencial económico político não era suficientemente aproveitado se não tivesse uma política administrativa ajustada a essa capacidade de inovação e crescimento”. Além disso, “houve uma outra consideração importante nesse decreto”, nomeadamente “uma nota de inexistência de prejuízo para outrem”, inclusive para o concelho de Oliveira de Azeméis.

Por estas razões e por outras, “é justo recordar os elementos do Grupo Patriótico Sanjoanense, em particular António Henriques, que veio a ser o segundo presidente da câmara de SJM, e Benjamim Araújo, que foi o primeiro presidente da câmara”. Jorge Sequeira lembrou igualmente o antigo edil Manuel Cambra, falecido em junho deste ano, porque “o nosso dever é estar à altura daqueles que forjaram a nossa história”.

Igual gesto teve, ainda, Mariana Coelho que, em nome da AMJ, evocou “a memória de todos aqueles que lutaram para que a nossa cidade se tornasse autónoma e progressiva e que permitiram que esta esteja onde está hoje”.

GN

“S. João da Madeira é um caso de sucesso”

Já de volta ao presente e com os olhos postos no futuro, Jorge Sequeira sublinhou que “S. João da Madeira é um caso de sucesso que demonstra como a solução da autonomia política e administrativa teve bons resultados”. “Somos o concelho mais pequeno do país, pequeno em território, mas muito grande em valor”. E isto, “graças à capacidade de empreendedorismo, de inovação, de criar e de reconverter a indústria”, mas também devido a uma “aposta na dignidade humana”, na “inclusão social”, que “é para levar a sério”.

Para o responsável político, “o trabalho na ação social é decisivo para qualquer sociedade que se queira decente”. Daí todo o trabalho que tem vindo a ser feito nesta área por este executivo, desde a cadeira de dentista, bolsas de estudo para o ensino superior, vacinação gratuita, reabilitação de apartamentos de habitação social, etc..

A cerimónia terminou tal como começou, ao som daquela que com mais de 150 anos é a instituição mais antiga de SJM, a Banda de Música atualmente presidida por Adelino Calhau.

 

Jorge Sequeira, presidente da câmara

GN

 

“S. João da Madeira é um território que não desiste, que não se rende; um território inquieto que está sempre à procura de soluções para o seu futuro”.

 

 

Clara Reis, presidente da Assembleia Municipal

GN

“Estou particularmente feliz e orgulhosa a celebrar este nosso 11 de outubro. E convido todos aqueles que contribuíram para isso a se juntarem a mim nesta felicidade e neste orgulho: diretores das escolas, professores e alunos que, uma vez mais de forma corajosa e abnegada, responderam ao desafio por nós lançado há um ano. Hoje as crianças e os jovens da nossa cidade sabem porque é feriado”.

 

Mariana Coelho, representante da Assembleia Municipal Jovem

GN

Há 93 anos S. João da Madeira [SJM] conseguiu finalmente obter a sua autonomia concelhia. Nesse 11 de outubro, a cidade iniciou uma caminhada que, atravessando todo o século 20 até aos nossos dias, se tem revelado em todos os aspetos positiva. Com o passar dos anos SJM se tem vindo a desenvolver. E hoje o nosso concelho é um dos mais atrativos para se viver em toda a região Norte e mesmo em todo o país, principalmente para os mais jovens. Uma das maiores provas deste facto é a Assembleia Municipal Jovem”.

 

GN

A inauguração da uma exposição sobre artes e ofícios, emigração, história e indústria do concelho da autoria dos três agrupamentos de escolas da cidade – João da Silva Correia, Oliveira Júnior e Dr. Serafim Leite – e do CEI antecedeu a sessão solene. Esta mostra escolar encontra-se patente ao público no Fórum Municipal até esta sexta-feira, dia 18.

 

DR

Já no final da manhã voltou-se a celebrar a história do município, tendo por palco o tanque público do Rio do Pedaço, localizado entre o Fórum Municipal e o Tribunal de S. João da Madeira. Neste local tão querido para muitos sanjoanenses teve lugar a reconstituição de época “As lavadeiras”, pelo Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior.

DR

O Dia do Município culminou nos Paços da Cultura, às 18h30 e às 21h30, com novos momentos de celebração da história do concelho, através da exibição do filme “A Freima” e da representação da peça de teatro “Histórias de Memórias”, pelo Agrupamento de Escolas Dr. Serafim Leite.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here