No mês de agosto escrevi uma carta aos Sanjoanenses cujas casas fazem parte da primeira fase de desenvolvimento do novo sistema de recolha de resíduos porta-a-porta,lançado no verão pela Câmara Municipal de S. João da Madeira. Uma medida muito importante que visa aumentar a percentagem de resíduos que é enviada para reciclagem, fazendo de S. João da Madeira uma cidade mais verde.

Este programa municipal, que conta com financiamento da União Europeia, destina-se a cerca de 1600 moradias unifamiliares, onde a autarquia entregou conjuntos de quatro contentores domésticos, que começaram a ser usados de 30 de setembro em diante, agradecendo-se, desde já, a assinalável colaboração dos munícipes.

Aliás, o envolvimento generalizado dos Sanjoanenses, a sua atenção às questões ambientais e a adesão às iniciativas que têm sido colocadas no terreno neste âmbito são fatores essenciais ao sucesso da demanda que temos pela frente, no sentido de uma crescente sustentabilidade ambiental da nossa cidadee da redução da nossa pegada ecológica.

Este desafio convoca-nos a todos, de todas as gerações, e devemos tê-lo bem presente no nosso dia a dia, seja em casa, no trabalho ou nossos tempos livres. Este é um assunto que nos toca a todos. A cada um de nós.

Na Câmara Municipal, temos consciência da especial responsabilidade que nos cabe nesta matéria, enquanto eleitos pelos Sanjoanenses, perante os quais assumimos o compromisso de fazer de S. João da Madeira uma cidade verde, que cumpra as metas no que diz respeito aos resíduos sólidos, melhorando o sistema de recolha seletiva.

Acreditamos que a nossa cidade pode – e deve – ser um exemplo nacional na reciclagem, reutilização, redução e recuperação de materiais e energia e na neutralidade nas emissões de carbono. Por isso, definimos 2019 como o ano de mudança de paradigma do nosso Município na área do Ambiente.

Nesse sentido, apresentámos, em fevereiro, um conjunto de medidas ecológicas inovadoras, que, de imediato, saíram do papel e já estão no terreno. É o caso da já referida entrega de contentores domésticos a 1600 habitações, que dissemos que iria concretizar-se no final do verão deste ano e assim aconteceu. A autarquia passou ainda, desde de então, adquirir apenas papel reciclado para todos os seus serviços.

Nessa mesma altura, estabelecemos igualmente como prioritária a redução da produção de resíduos, com uma atenção particular ao uso de plástico de utilização única, um dos grandes flagelos ambientais à escala global. A partir de então, organizações com o envolvimento direto da Câmara de S. João da Madeira, como o Carnaval das Escolas, o Andebolmania e “A Cidade no Jardim” passaram a ser eco-eventos.

Esse combate ao plástico de utilização única tem-se traduzido na redução drástica desse tipo de produtos nos eventos municipais, diminuindo a nossa pegada ecológica. Só no primeiro semestre deste ano, foram consumidasmenos 1600 garrafas de plástico no Carnaval das Escolas, menos 10.000 utensílios de plástico no torneio internacional Andebolmania e menos 60.000 copos no evento “A Cidade no Jardim”.

Mais recentemente, no início de mais um ano escolar, a Câmara Municipal ofereceu garrafas reutilizáveis a cada um dos cerca de 7000 estudantes das escolas públicas e privadas de S. João da Madeira. Com esta ação cumprem-se dois objetivos: evitar o uso de garrafas de plástico de utilização única e, ao mesmo tempo, estimular o consumo de água, em vez de refrigerantes e bebidas alternativas que podem ter efeitos negativos para a saúde.

Neste ano de 2019, a Câmara Municipal lançou igualmente um projeto-piloto de recolha de lancetasusadas na administração de insulina e controlo da diabetes, assim como na realização de outros tratamentos. O objetivo desta medida inovadora a nível nacionalé dar um destino ambientalmente responsável e em condições de segurança a esses resíduos corto-perfurantes – designadamente agulhas e seringas -, evitando que acabem colocados no lixo doméstico.

A iluminação pública é outra área onde se fazem sentir os efeitos positivos do investimento da autarquia na redução da pegada ecológica da nossa cidade, estando em curso, em diversos arruamentos, a substituição de mais de 1600 luminárias antigas por outras de tecnologia LED, o que permite reduzir a emissão de carbono e, ao mesmo tempo, baixar a fatura com a energia. E o mesmo irá avançar em breve ao nível dos parques e jardins.

Acreditamos que este é o caminho certo que a nossa cidade deve trilhar e vamos continuar neste rumo, contanto com a colaboração – e também o escrutínio – de todos os Sanjoanenses. Por uma cidade – e por um planeta – mais verde e mais saudável.

DR

Jorge Vultos Sequeira

Presidente da Câmara Municipal

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui