Lembro ainda, era rapaz, anos idos, trinta e tal…

Do nosso século passado, de uma expressão banal,

Quando se inquiria alguém, sobre como ia a vida,

E logo nos respondiam sem hesitar, de seguida:

Quartel General de Abrantes, estará tudo como dantes.

Passado que foi quase um século, perto está dois mil e vinte;

Parece que as coisas andam, ao mesmo ritmo da sorte,

Tudo andará como dantes, bem ao estilo do pedinte:

Do vá com deus, deus o ajude e que o livre da morte…

 

Talvez um pouco diferente; poucos sabiam do rumo,

Dos destinos da nação; alguns só, e mais ninguém

Sabiam dos seus meandros, apenas e só os do “prumo”.

Tomariam as medidas, pouco certas, e até bem.

Hoje! tudo será igual e no geral se mantém;

O combate à corrupção? Continua, e, ela mais forte,

Decerto estará p´ra estar; qualquer lei que não convém

Tem o poder soberano, sobre a nossa triste sorte…

 

Violências! Tantas são, com seus ecos mais audíveis,

Ressoam aos quatro ventos num chamariz que reclama.

A sua manutenção, pelos tempos, imperecíveis,

Superfícies estiradas em tambores de pele humana…

Da Justiça! Não se fala, apenas p´ra a denegrir

Os seus atalhos são tantos, como contas de um rosário.

Neles se perdem conceitos, em algo mais a parir

Abortos por todos os cantos neste aflito calvário…

 

Senso! Bala de canhão a ressoar tão estrondoso.

Em miríades de estilhas, cortam como diamantes.

O que importa é o poder, lucro fácil, o pomposo

Estilo de vida fácil, tudo estará como dantes.

E a economia! Mas essa, perdeu-se o sentido dela;

Um balão, mito, uma bolha que rebenta e põe-nos loucos,

Esvaindo-se em ar e vento por tudo quanto é janela.

Voltando à penúria de antes entre os muitos que eram poucos,

Quartel General de Abrantes, tudo igual como era dantes.

DR

Flores Santos Leite

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui