No seu novo livro, “Dicotomia do Ser ou Diário dum Palhaço”, que foi apresentado em S. João da Madeira

Esta última sexta-feira, passado quase um mês desde a inauguração da exposição “PARAGENS onde as viagens cabem”, nannipinto regressou a S. João da Madeira, sua terra natal, e à Biblioteca Municipal Dr. Renato Araújo. Precisamente aqui, neste equipamento municipal, onde tem patentes as suas aguarelas até ao dia 8 de janeiro, a escritora sanjoanense, que vive em Braga, apresentou o seu novo livro “Dicotomia do Ser ou Diário dum Palhaço” (Edições do Auctor), lançado em maio deste ano.

Esta apresentação “em casa”, digamos assim, “foi a continuidade de muitas emoções…Desde a chegada de tantos amigos – alguns que não via há muitos anos – até à  simpatia e amabilidade de Graça Neves, responsável pela Biblioteca Municipal”, contou nannipinto ao labor, sublinhando, também, as presenças do “Quarteto ‘Con Spirito’, vindo de Braga” e “que encheu o coração a todos”, e do “professor Emílio Ferreira, que uma vez mais apresentou o livro”. A todos, e através do nosso jornal, faz questão de agradecer “profundamente”.

“Estaremos preparados e educados para entender o Sofrimento como um caminho rumo à felicidade?”

Bruno e Bernardo Silva

Falando concretamente acerca de “Dicotomia do Ser ou Diário dum Palhaço”, a autora definiu-o “como sendo um diálogo interno que vai ganhando forma entre o narrador e o diário de Carlito, o palhaço”. “Foi uma forma encontrada para emergir das memórias que vão entre o encantamento da vida e a desilusão de viver por não saber o que isso quer dizer, – porque Carlito apenas quer ser ele próprio. Reflete uma idade de muitas discussões em monólogo desesperado, carre­gada duma crise existencial, que acredito ser de todos, duma forma ou de outra, e em qualquer momento da vida e por diversas vezes”, prosseguiu, completando: “Este livro fala da primeira grande crise existencial, que eu própria experimentei. Também diz que tudo passa, mas que enquanto se está, é bom, como anuncia o final do livro, através do diálogo entre Carlito e o Velho do circo”.

Questionada sobre qual é a principal mensagem que quer passar, nannipinto respondeu: “Aprender com o sofrimento”. Este seu livro “anda entre a tristeza e a alegria. As cores dele, através das ilustrações, equilibram estes estados dicotómicos. É um livro que exalta o sofrimento”, “um sentimento muito nobre”, que para muitos “é um tema tabu”, mas que para nannipinto não é. Aliás, em seu entender, “quando partilhamos o sofrimento encontramos melhor o seu sentido”.

“Já vivi algumas experiências, agora noutra idade, profundamente dolorosas, e o que descobri nesta dor foi a possibilidade de pensamentos novos e libertadores. Estou a falar da dor profunda duma perda!”, confidenciou ao labor, perguntando, de seguida: “Estaremos preparados e educados para entender o Sofrimento como um caminho rumo à felicidade?”.

Em “Dicotomia do Ser ou Diário dum Palhaço”, cujo nascimento remonta a 2016 quando “num determinado dia, comecei a fazer uma série de aguarelas, e eram palhaços”, “nannipinto trata, como ninguém, o sofrimento por tu, fala com ele, vive, indissoluvelmente, com ele, carrega-o e revela-o ao mundo com delicadeza, anuindo, sem receios, os atributos da transcendência da vida-mistério, sem fechar as portas gnósticas à religiosidade. É o preço do nascer para morrer agostiniano!”, escreve Emílio Ferreira, no posfácio.

“Que ‘palhaço’ é este? E que sofrimento é este que ‘trata por tu’?”

Mas, afinal, “que ‘palhaço’ é este? E que sofrimento é este que ‘trata por tu’?”. Em resposta a estas duas perguntas do nosso semanário, nannipinto foi perentória: “Que palhaço é este? Sou eu, Edson, Eduardo, Maurício… e todos aqueles que se identificarem nele. E o sofrimento, o meu próprio sofrimento”.“Na verdade, foram os dias de adolescência que se empoleiraram nas minhas memórias através das aguarelas que surgiam; inadaptação à vida, à morte e a mim. Via-me entre o céu e a terra, dentro dum ‘Eu’ que desconhecia, isolado e perdido… Era um sintoma de abandono num lugardesconhecido, que é a própria vida! Via-me obrigada a viver e eu não sabia o que isso queria dizer, ou seja, é o primeiro despertar para a existência e a crise dela!E dentro deste viver, só entendia uma forma: ser quem sou!”, continuou a explicação, rematando: “Embora o livro retrate a primeira fase da vida, ele pode ser o resumo até ao dia de hoje, porque me envolvi de muitas memórias…”.

“Dicotomia do Ser ou Diário dum Palhaço” custa 12 euros e está à venda na biblioteca municipal Dr. Renato Araújo. 

 

Escritora vai lançar dois novos livros em 2020

A digressão do livro “Dicotomia do Ser ou Diário dum Palhaço”, após o seu lançamento a 17 de maio em Braga, na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, “tem sido uma experiência muito emotiva, desde o chegar a rever tantos amigos à partilha do tema”. Também na “cidade dos arcebispos”, nannipinto apresentou-o na Casa do Professor e, como revelou ao labor, tem “tido vários pedidos para apresentar o livro em escolas, para podermos debater o tema, o que me agrada imenso”. Além disso, estão também agendadas “algumas apresentações no Minho, em escolas e bibliotecas”.

Quanto às próximas obras da sua autoria a serem lançadas, tem uma – “Cartas do meu Jardineiro” – que já estava escrita ainda antes de “Dicotomia do Ser ou Diário dum Palhaço”, “mas este último impôs-se naturalmente e que faz todo o sentido para mim assim ser”, como explicou nannipinto ao nosso jornal, adiantando ainda que “Cartas do meu Jardineiro” “é um livro que revela o infinito desejo de mergulhar com toda a intensidade na vida; que é o emergir dum processo de autoconhecimento, através das sucessivas memórias que compõem a vida do ser humano”. “Será editado no próximo ano, mas ainda sem data certa”, acrescentou a escritora natural de S. João da Madeira.

Quanto ao “LPH, livro de Poemas Haiku”, “deverá ser apresentado ao público no mês de junho”.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here