Poetas de nós seremos; dos outros? Talvez, não sei;

Desta poesia talvez, algo haverá para ser cantado,

Muito mais existirá, num poeta, pensarei:

A vontade de o ser se na fé estiver firmado…

Inventa o poeta, ai quantas emoções não pessoais,

Consegue tristeza alegre e alegrias travessas,

É um rasgar do seu peito, com os seus próprios punhais,

É palhaço equilibrista que põe o mundo às avessas…

 

A maioria das vezes a sua querença é triste,

Abre a alma, dá-lhe as asas, o voo da liberdade,

É aquela Excalibur, na postura de um riste,

Quando investe p´ra um Graal a torná-lo realidade;

É fazer da ficção um instrumento capaz,

É fazer daquele além o que estará para aquém de nós,

E o contrário também; (o quanto anda para trás!)

E assim passa à adolescência, com a idade dos avós.

Poeta! Além de vadio, é o arauto displicente,

Que foge da vadiagem, na tentativa de querer

Que tudo que em si contém, será ser inteligente,

Para deixar a mensagem, que anda à solta, e nela crer

Essa mensagem que o arrasta e torna-o judeu errante,

Terá de ter conteúdo, de outro modo enganará;

Quem o ouve e quem o sente, como instrumento falante,

Que fala mais para além daquilo que existirá…

DR

Dr. Flores Santos Leite

 

 

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here