Nesta que foi a sua primeira visita a Portugal, Kermit Tesoro passou alguns dias em S. João da Madeira 

 

Kermit Tesoro diz não ter “urgência em criar e muito menos em atingir notoriedade mundial”. Mas a verdade é que com pouco mais de 30 anos de idade é já conhecido por ter criado sapatos para várias figuras da música e da moda como Lady Gaga, Madonna, Jodie Marsh ou Divine Lee.

Esta semana, entre os dias 6 e 8, este designer avant-garde nascido em Manila, capital das Filipinas, deslocou-se a S. João da Madeira com o especial propósito de conhecer o Museu do Calçado e doar, pessoalmente, as peças “Polypodis” e “Impaled Skull”, da sua autoria, a esta instituição sanjoanense. No caso da primeira, faz parte de uma série de três e foi criada propositadamente para o Museu do Calçado. “Polypodis” mostra o quanto o artista sempre foi fascinado pela natureza e pelas suas maravilhas, em particular pelos Nautilus e outros polvos e todas as suas cores. Entre os materiais usados, estão a resina, o acrílico e plástico dos oceanos.

Já com “Impaled Skull” a intenção “foi colocar a sede da inteligência sob a tensão do calcanhar do usuário e gozar com aqueles que usam a moda como uma maneira de impressionar e não como uma expressão”. Nesta sua criação, o jovem filipino usou couro, resina, aço, etc., tendo-se inspirado em Vlad III, o Empalador (Drácula) e em como este empalou os seus inimigos e traidores.

 

Ainda na “Cidade do Labor” Kermit Tesoro visitou o Museu da Chapelaria, o Centro de Arte Oliva e algumas das fábricas parceiras do Turismo Industrial. Além disso, também realizou duas masterclasses, abertas ao público em geral, mas com um foco especial para alunos do ensino secundário, superior e artístico, designers, artistas e empresários do setor criativo. Nestas participaram “essencialmente alunos da Academia de Design e Calçado e da ACE (Academia Contemporânea do Espetáculo) – Escola de Artes”, como adiantou a autarquia ao labor.

Artista participa regularmente em exposições internacionais e em reconhecidos desfiles de moda

Licenciado, primeiro, em Artes Visuais pela UP Diliman College of Fine Arts e, depois, em Design de Moda pelo Fashion Institute of the Philippines, ambas licenciaturas feitas nas Filipinas, Kermit Tesoro foi ganhando experiência na área do calçado nas visitas que realizava a fábricas de calçado e curtumes também no seu país de origem.  A partir de 2006, envolveu-se mais profundamente no design de calçado, começando a criar sapatos que complementassem as suas coleções de vestuário. Faceta que viria a explorar ainda mais aquando das suas participações na Philippine Fashion Week e London Fashion Week, onde trabalhou em colaboração com outros designers, também eles vanguardistas.

Kermit Tesoro participa regularmente em exposições internacionais e em reconhecidos desfiles de moda, além de figurar em publicações, revistas e sites de diferentes especialidades como a Vogue, Elle, WWD, Arcade, Surface, Fiasco, Mono Zine, Skull Style Book  ou Shoe You! The Art of Walking: Book.

“Os meus sapatos e roupas não são nem para conforto de ninguém, nem para agradar a maioria”

Conhecido por ultrapassar os limites do design vanguardista, Kermit Tesoro quebra o conceito tradicional do que é a moda. “Os meus sapatos e roupas não são nem para conforto de ninguém, nem para agradar a maioria. A minha mente encerrou um mantra que será eterno: “não há agitação sem provocação”, garante o jovem criador em nota de imprensa remetida ao labor pela autarquia.

Numa mistura de criatividade, engenharia, trabalho manual e génio, o designer desenha e dá forma a extraordinárias peças esculturais que servem o propósito de chocar, alertar, gerar reações, capturar o olhar de qualquer um. São peças que se apresentam num plano tão intimista quanto concetual.  A sua sensibilidade inclina-o a dar espaço à experimentação, à curiosidade e suas paixões de infância como a Natureza, a ciência, a história mundial, a gastronomia e aos, não menos importantes, fetichismo e comportamento humano.

Durante o processo criativo, Kermit Tesoro recorre frequentemente a figurações animalescas, caveiras e ossadas humanas, símbolos arquitetónicos e formas desproporcionais. Com estas combina saltos que desafiam a gravidade e uma seleção requintada dos materiais mais inusuais como peles de animais, pregos, espigões, lantejoulas, madeira, latex derretido, resinas industriais, plásticos de alta resistência, corais e até espécies minerais.

A peça “Polypodis”, criada em 2005 e inspirada na imagem de um polvo e dos seus longos tentáculos, é uma das principais responsáveis pelo seu lançamento e pela sua notoriedade, tendo marcado, inclusive, tendências no mundo da moda internacional. Provas da continuidade deste reconhecimento surgem, por exemplo, em 2011 quando, em colaboração com o escultor Leeroy New, teve a oportunidade de vestir Lady Gaga, que também usou os seus sapatos para a produção do álbum “Marry the Night”.  Em 2012, as suas criações associam-se à coleção primavera/verão da designer francesa Florian Jayet e desfilaram juntas na London Fashion Week.

 

GN

 

Além das duas peças doadas por Kermit Tesoro, o Museu do Calçado recebeu uma outra, desta vez, feita com feltro e da marca Olives, sedeada na incubadora da Oliva Creative Factory, da autoria das empreendedoras Filomena Almeida e Isabel Almeida. Foi Filomena Almeida quem, ao final da manhã de ontem, assinou o protocolo com o Município que formaliza a doação.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui