Créditos: Direitos Reservados

A competir em duas frentes, o último fim de semana acabou por se traduzir num saldo positivo para a APROJ

Os minis A deslocaram-se a Arcozelo para participarem no Torneio de Ano Novo, onde estiveram inseridos num grupo de quatro equipas (8 participantes), defrontando a formação da casa e duas do Espinho. Com uma boa entrada, reduzindo os erros não forçados, os visitantes conseguiram alcançar a primeira vitória do dia frente às espinhenses (38.29). O encontro seguinte foi contra a segunda equipa do SC Espinho, vencendo de forma tranquila e atingindo a marca dos 23 pontos em ambas as partes do jogo, para um resultado final de 46-22. Para segurar o primeiro lugar do grupo a APROJ defrontou no último jogo o SC Arcozelo, com a vitória no final a pertencer ao conjunto de S. João da Madeira, com apenas um ponto de vantagem (35-34).

Após uma breve pausa arrancou a fase decisiva com a APROJ a defrontar, proveniente do cruzamento dos grupos, outra equipa do SC Arcozelo. Na primeira parte conseguiu uma vantagem confortável, mas foi necessário sofrer até ao final para se encontrar o vencedor, que seria o jovem conjunto de S. João da Madeira, mais uma vez por apenas um ponto de diferença (39-38).

Já na meia-final, apesar da entrada nervosa que resultou em alguns erros, os minis da APROJ conseguiram vencer de forma categórica a forte equipa do CD Fiães por 42-24. Com este triunfo a jovem formação sanjoanense garantiu a vitória no Torneio de Ano Novo.

Já o conjunto de juniores B entrou bem no jogo frente ao CD Aves, mas acabaria por ceder no final. Consistente no serviço e na receção, e com um bom ataque e defesa, a equipa fechou o primeiro parcial com 20-25. No segundo set a APROJ manteve consistência até aos 20-20, altura em que o adversário aproveitou alguns erros para ganhar vantagem (24-21). O conjunto de S. João da Madeira ainda chegou à igualdade (24-24), mas uma falha num serviço e logo depois numa receção permitiu ao Aves fechar com 26-24.

A partir do terceiro set a APRO cometeu demasiados erros, permitindo que o adversário voltasse a vencer. No último parcial a turma de Paulo Rocha entrou disposta a discutir o resultado, pecando menos na receção e a imprimir alguma eficiência no contra-ataque. Contudo, no final do set, alguns erros permitiram ao Aves fechar o parcial vitorioso.

“No fundo acabamos por perder 3-1 por demérito nosso e não mérito do Aves, fizemos os nossos pontos e os da equipa do Aves. Era uma equipa perfeitamente ao nosso alcance. Somos capazes de mais e melhor”, aponta o técnico.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here