A frase foi dita pelo presidente da câmara, Jorge Sequeira, durante a sua intervenção na abertura do terceiro Encontro Indústria, História e Património no dia 16 de janeiro na Torre da Oliva.

“Estamos a trabalhar para ter um Centro de Memórias Industriais”, “temos a colaboração da Fernanda Rollo”(historiadora, professora universitária e diretora-geral do projeto “Memórias para Todos”) e “oportunamente iremos fazer a apresentação do projeto”, acrescentou Jorge Sequeira já à margem do encontro em declarações aos jornalistas. Sendo o projeto “Dias da Memória” um dos primeiros passos que estão a ser dados pelo Município de S. João da Madeira nesse sentido.

A criação de um Centro de Memórias Industriais está em fase de pré-projeto e num primeiro momento estará focado “na dinâmica industrial da região e mais tarde na nacional”, adiantou o Município sobre este projeto que pretende “centrar-se na produção, criação e difusão de conhecimento e pensamento sobre a indústria, desde as indústrias tradicionais às indústrias contemporâneas”. Para além disso, o Centro de Memórias Industriais “irá contribuir para a distinção da cidade de S. João da Madeira no campo das boas práticas da salvaguarda, valorização e divulgação do património industrial”, adiantou o Município na informação enviada ao labor.

Ao longo dos três dias de encontro, de 16 a 18 de janeiro, estiveram presentes cerca de 150 pessoas que debateram e partilharam ideias sobre o património e o Turismo Industrial. Este encontro recebeu um “número recorde” de inscritos (cerca de 150) e decorreu num espaço “muito importante para a indústria. Olhamos para a S. João da Madeira e vemos a história do país”, considerou Fernanda Rollo. E por falar em história, Jorge Sequeira voltou a mencionar a intenção que o Município tem em estudar a história que levou S. João da Madeira a tornar-se um território independente a 11 de outubro de 1926. Só para termos uma pequena ideia dos acontecimentos desta história, naquela altura, S. João da Madeira era o núcleo mais industrializado do distrito de Aveiro. O decreto que declarou a independência de S. João da Madeira e outros documentos relativos à história da cidade, podem ser vistos gratuitamente por qualquer pessoa nos Paços da Cultura.

A indústria é indissociável da história de S. João da Madeira. Por isso, o Município criou o projeto Turismo Industrial que assinala hoje, dia 23 de janeiro, oito anos de promoção e valorização de nove indústrias ativas ligadas a diferentes setores, dos Museus da Chapelaria e do Calçado, da Oliva Creative Factory e do Centro de Arte Oliva.

E só em 2019 recebeu a visita de 1096 grupos que equivalem a 40 mil pessoas, avançou Jorge Sequeira no primeiro e segundo dias de encontro. “Sem promoção ou publicidade, com base nestes encontros, já tivemos resultados bastante ambiciosos”, considerou o presidente da câmara, traçando como próximo objetivo “transformar estes visitantes em valor e em rendimento para S. João da Madeira”.

Visitas gratuitas e novo parceiro

DF

No âmbito do aniversário do Turismo Industrial, estão a ser realizadas as habituais visitas gratuitas às empresas e às instituições integradas neste projeto.

Para além das visitas à Heliotextil às 14h30 e à Viarco às 16h00, o dia de hoje fica marcado pela apresentação do Project ID como novo parceiro do Turismo Industrial que está marcada para as 10h00 Oliva Creative Factory.

Amanhã é o terceiro dia de visitas gratuitas que se destaca pela visita noturna que será feita pelas 21h30 à Fepsa. Ao longo deste dia estão previstas visitas à Bulhosas, juntamente com uma experiência de serigrafia, às 10h00, ao Circuito do Ferro que inclui o Núcleo Histórico da Oliva e o Centro de Arte Oliva às 14h00, ao Museu da Chapelaria às 15h30 e ao Museu do Calçado às 16h30.Os interessados devem inscrever-se através do contacto 256 200 204, do email turismoindustrial@cm-sjm.pt ou do sitehttp://turismoindustrial.cm-sjm.pt/formulario-reserva.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here