O segundo dia do Encontro Indústria, História e Património ficou marcado pela apresentação doplano de ação para a criação de uma Rede Nacional de Turismo Industrial entre 2020 e 2022 por parte do Turismo de Portugal em conjunto com a Câmara Municipal de S. João da Madeira.

O objetivo deste plano é “o desenvolvimento de uma oferta turística diferenciadora, ancorada em ativos dos territórios, implementando ainda uma rede de turismo industrial, que vem reforçar a atratividade dos territórios de baixa densidade e captar mercado nacional e internacional, em alinhamento com a estratégia Turismo 2027 de afirmar Portugal como um destino turístico sustentável, com um território coeso, inovador e competitivo, e promover o alargamento da atividade a todo o país, ao longo do ano”. “Até 2022 vão ser desenvolvidas ações no âmbito dos recursos, produto, promoção e venda, assim como no modelo de gestão, o qual prevê a constituição de um grupo dinamizador e a celebração de um memorando de entendimento entre os parceiros públicos e privados aderentes”, explicou o Município ao labor.

A concretização deste projeto está dividida em duas fases. Para o primeiro semestre estão previstos o levantamento e a caracterização dos recursos associados à indústria viva e ao património industrial, a capacitação dos agentes, a melhoria das condições de visitação, a implementação de uma certificação, bem como a identificação de programas e circuitos para venda a turistas nacionais e internacionais. Já no segundo semestre deste ano pretende-se que seja criada uma plataforma digital, agregadora da oferta, complementada por ações de promoção internacional e implementado um sistema de monitorização em 2021.

“Os jovens têm medo da indústria e de sujar as mãos”

O Turismo Industrial em S. João da Madeira teve por base um documento criado pelo Governo Francês para apoiar as suas empresas a criar um circuito de visitas e para valorizar o território.  Atualmente, este projeto francês conta com “mais de 2.000 empresas associadas que vão permitir projetar o país através de marcas nacionais”, deu a conhecer Alexandra Alves, Chefe da Unidade de Turismo do Município, aos presentes, indicando, em relação ao Turismo Industrial de S. João da Madeira, que este é resultado de “um trabalho que requer muito da equipa” que é responsável pelas visitas realizadas ao longo dos dias. Uma das apostas do Município é “promover muito o Turismo Industrial junto das escolas” com o intuito de “educar os jovens para a indústria” numa altura em que “os jovens têm medo da indústria e de sujar as mãos”, afirmou Alexandra Alves, terminando com a mensagem de que este é “um projeto de pessoas e não podia deixar de falar da Vanda Cardoso” que foi a técnica responsável pela Turismo Industrial na fase do seu lançamento e primeiros anos, mas que viria a falecer em 2013.Também Luísa Picão, do Turismo de Portugal, mencionou Vanda Cardoso e o gosto que teve em ter começado com ela o trabalho da Norma da Qualidade do Turismo Industrial apresentada no dia 17, neste encontro, em S. João da Madeira.

Este modelo tem “um potencial enorme”

A própria secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, revelou que já tinha visitado com os seus filhos o Turismo Industrial de S. João da Madeira. E este modelo seja aqui ou noutro Município tem “um potencial enorme”, por isso é “importante ter estes ativos que podem ser trabalhados, mas também é preciso trabalhar em rede”, afirmou Rita Marques, tocando em pontos fundamentais para este tipo de turismo que estima toda a indústria, da mais antiga à mais moderna, como a importância das normas, a existência de linhas de financiamento, a capacitação e valorização de recursos humanos, a sustentabilidade e a dinamização económica da região. A secretária de Estado do Turismo terminou com a certeza de que “brevemente” vai ser apresentado o roteiro nacional do Turismo Industrial que irá “fazer a diferença no roteiro internacional”. Também Luís Araújojá visitou o Turismo Industrial em S. João da Madeira. “Uma experiência extraordinária e diferente”, descreveu o presidente do Turismo de Portugal, constatando que este tipo de experiências é exatamente “o que procuramos” em todo o país.

Jack Daniel´s tem “visitas com lotação esgotada quase todos os dias”

E mais uma vez, o presidente Jorge Sequeira disse que “o valor de um Município assenta na sua história industrial” e o Turismo Industrial está inserido numa “estratégia de valorização deste património”. Uma das apostas do Município tem sido atrair as escolas a este projeto e engana-se quem pensa que só escolas portuguesas visitam S. João da Madeira. “No ano passado recebemos uma escola de Nova Iorque e os alunos fizeram um sapato no Centro Tecnológico do Calçado”, revelou o autarca. Entre todos os projetos e os espaços que estão ligados ao Turismo em S. João da Madeira mencionados por Jorge Sequeira, falhou apenas um, o “São João Nosso” em que o azulejo inteligente instalado à entrada dos comércios de rua leva qualquer visitante até à sua história numa plataforma online, tal como mencionou Luís Martins, presidente do Turismo Porto e Norte, que melhor do que a maior parte das pessoas pode afirmar que no que toca ao Turismo “continuamos a ter números fantásticos no nosso país que não surgem por acaso, mas fruto de um grande trabalho”. E “se alguém ainda tem dúvidas do sucesso do Turismo Industrial, no Tennessee existe uma fábrica (a destilaria Jack Daniel´s criada em 1876) que tem visitas com lotação esgotada quase todos os dias”, concluiu Luís Martins.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, insira o seu comentário!
Por favor, insira o seu nome aqui