“Os hospitais estão cheios” 

Entrevista a Sofia Silva, sanjoanense que trabalha numa empresa de moda em Milão, Itália

0
485

E sinceramente é muito triste ouvir ambulâncias a passar a toda a hora”, contou Sofia Silva ao labor 

Qual o impacto do novo coronavírus no teu local de trabalho?

Estou a fazer “smartworking” desde o início de março até 15 abril no mínimo e a usar um dia de férias por semana.

Quais as tuas funções e de que forma estão a ser afetadas?

Como sigo lojas na Ásia e “Middle East”, neste momento deveria estar a viajar nessas áreas e devido à Covid-19 não é possível.

Qual o impacto deste surto no teu dia a dia, em particular, e nas infraestruturas de Itália, em geral?

Eu, o meu marido e a minha filha estamos em quarentena há três semanas. Neste momento, os hospitais estão a abarrotar de doentes. Para além dos transportes que funcionam com um número máximo de entradas ao mesmo tempo, os supermercados e as farmácias são os poucos serviços abertos. Os supermercados estão a fechar ao domingo e a reduzir o horário nos outros dias.

Como tem sido estar quase há um mês em quarentena?

Quando a quarentena foi declarada, ou seja, quando Itália ficou “red zone” – ninguém entra, ninguém sai – acho que as pessoas começaram a ficar mais tempo fechadas em casa. Um dia antes de isto ser oficial, e com um rascunho do decreto que saiu para as notícias, tivemos pessoas em Milão que entraram em pânico e muitos “imigrantes” do Sul que residiam em Milão apanharam comboios para a cidade de origem. Este comportamento gerou bastante polémica e com razão porque se alguma dessas pessoas fosse infetada passaria para o Sul, onde existiam menores condições sanitárias comparadas com o Norte.

Para mim, inicialmente foi um “não querer acreditar no que estava a acontecer”, seguido de uma negação, mas agora já estamos quase há um mês em casa e já criámos uma rotina nossa. Custa muito não poder ir passear, mas é para o bem de todos. Tanto eu como o meu marido estamos em “smartworking” há quase quatro semanas com uma filha de quase dois anos para cuidar porque todas as escolas foram fechadas há um mês. É muita coisa e devo dizer que é muito cansativo.

Esperemos que em breve tudo passe e volte à normalidade, aquilo a que nunca damos valor e que é tão bom”

E ver a forma como este vírus está a atacar Itália?

Lá fora está tudo fechado. Só mesmo farmácias e supermercados abertos. Ao domingo fecha tudo, mas ainda vejo algumas pessoas na rua. Felizmente poucas. Enquanto não tomarem medidas mais restritivas a quarentena vai continuar.

Itália é um dos países mais afetados pela Covid-19, os hospitais estão cheios e sinceramente é muito triste ouvir ambulâncias a passar a toda a hora. Estou convencida que em breve vai melhorar. Afeta a vida de tudo e de todos, há muita gente com férias forçadas porque as empresas fecham, outras em “smartworking”, e quem é empreendedor tem de fechar o negócio, sem entrada de dinheiro. Esperemos que em breve tudo passe e volte à normalidade. A normalidade, aquilo a que nunca damos valor, e que é tão bom. Outra coisa que tento fazer é viver um dia de cada vez, sem pensar quando é que tudo isto vai acabar porque na realidade não se sabe. Inicialmente era até três de abril, mas há dois dias anunciaram que era até 15 de abril. O melhor é encarar tudo de forma positiva e viver o tempo com a família que normalmente nunca temos. Quando estamos felizes o tempo passa mais rápido, se bem que há dias em que estamos mais em baixo.

De que forma estás a acompanhar a evolução do vírus em Portugal?

Todos os dias através da família e dos amigos.

Tens estado em contacto constante com familiares?

Sempre.

Para quando prevês regressar a Portugal?

Gostaria de ir quando tudo isto acabar e abraçar bem forte os meus pais, a minha família e os meus amigos. Tenho muitas saudades.

Covid-19 em Itália*

Até ao momento, este é o país mais afetado da Europa e, a seguir à China, do Mundo

69.176 casos confirmados

6.820 mortes

8.326 recuperados

*Dados atualizados até ao fecho da edição que podem ser consultados em https://www.worldometers.info/ ou https://gisanddata.maps.arcgis.com/apps/opsdashboard/index.html#/bda7594740fd40299423467b48e9ecf6

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here