A Polícia de Segurança Pública (PSP) e a Guarda Nacional Republicana (GNR) vão continuar de forma mais rigorosa com a intensificação do patrulhamento, fiscalização e ações de sensibilização, de 9 a 13 de abril, depois de terem iniciado esta operação conjunta, de 3 a 8 de abril, em todo o país.

Os objetivos destas ações são apoiar a população e garantir o cumprimento das normas do estado de emergência durante o período da Páscoa.

A GNR tem efetuado “todos os dias” ações de patrulhamento, fiscalização e sensibilização em vários locais, “priveligiando os nós de acesso à autoestrada”, explicou o Capitão Rafael Ribeiro, comandante do Destacamento de Trânsito de S. João da Madeira e do Posto de Santa Maria da Feira, ao labor.

Nestas operações, os militares também têm sensibilizado as pessoas para o facto de comprarem os bens essenciais dentro do concelho de forma a cumprir a limitação de deslocação dentro do próprio concelho de residência que entra hoje em vigor e prolonga-se até ao dia 13 de abril.

A PSP também vai intensificar o patrulhamento, a fiscalização e as ações de sensibilização em S. João da Madeira, confirmou o comissário Hélder Andrade, alertando que os agentes vão exigir “todas as pessoas que entrem ou saiam do concelho a declaração que comprova a razão pela qual estão em circulação”.

Até às 17h00 do dia 7 de abril, tinham sido detidas 33 pessoas pelo crime de desobedência, designadamente pela violação do confinamento obrigatório, e encerrados 177 estabelecimentos por incumprimento das normas estabelecidas, segundo informação divulgada pelo Ministério da Admnistração Interna.

Estes dados juntam-se aos verificados no primeiro período de estado de emergência, que vigorou entre os dias 22 de março e 2 de abril, onde se registaram 108 detenções por crime de desobediência e foram encerrados 1.708 estabelecimentos comerciais.

Perante a imperiosa necessidade de todos contribuírem para conter o contágio da Covid-19”, o Ministério da Admnistração Interna “insiste no cumprimento rigoroso das medidas impostas pelo estado de emergência”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Loading Facebook Comments ...