Saiu de casa para ir à caixa de correio e foi surpreendida por afilhado

0
843
DR

Tomás Francisco fez uma serenata à madrinha no Domingo de Ramos 

Diana Francisco praticamente não sai de casa “há mais de dois meses”. Mesmo antes do isolamento social imposto como medida de combate ao novo coronavírus à generalidade das pessoas, mas sobretudo a doentes de risco como ela, que é asmática, esta jovem de 30 anos, de S. João da Madeira (SJM), viu-se obrigada a ficar “em repouso absoluto” poucas semanas antes do nascimento do seu primeiro filho. Sebastião nasceu a 13 de fevereiro. Desde então, e agora devido à Covid-19, ele e a mãe só têm saído para ir às consultas (ver caixa).
Quando o companheiro lhe pediu, neste Domingo de Ramos, “para ir lá baixo buscar a carta da água à caixa de correio”, Diana estava longe de imaginar o que a esperava. Se bem que já parecia pressentir alguma coisa. Ela, que quase sempre anda de pijama, tomou banho e até vestiu “uma roupinha”, o que não é habitual.
É verdade que “a minha tia [e mãe do afilhado] já me tinha dito que iam preparar uma surpresa”, mas Diana garantiu ao labor que “nunca pensei que fossem sair de casa”. “Estava à espera de um desenho ou de uma carta”, acrescentou.
Inicialmente, a serenata era para ser no exterior, com a madrinha a ouvir o afilhado à varanda. Só que a chuva fez mudar os planos. Tomás cantou para Diana no interior do prédio. Para além disso, deu-lhe “um ramo e duas prendas para o bebé”.

Madrinha e afilhado já não estavam juntos há um mês

 

Já com o afilhado, Tomás, e os pais à espera no hall de entrada do prédio “para aí há uns 20 minutos”, Diana lá desceu as escadas, para evitar o elevador, e qual não foi o seu espanto ao ver os três! Madrinha e afilhado já não se encontravam há um mês. A última vez tinha sido a 6 de março, dia do aniversário de Diana. Depois disso têm contactado todos os dias, mas apenas através das redes sociais.
“Peguei no ramo e o Tomás começou a cantar. Ao início, ele nem conseguia olhar para mim nem cantar”, contou ao nosso jornal esta professora de Educação Física e atleta, confidenciando ainda que “nem sei como não chorei”. Segundo descreveu, Tomás “estava muito emocionado” e a ela “só apetecia estar ali a abraçá-lo” tempos infinitos.
Para além de Tomás, Diana tem mais três afilhados. Normalmente, os mais novinhos, inclusive Tomás, vêm passar uns dias com ela por altura das férias de verão e da Páscoa. “Têm um quartinho só para eles, fazemos sempre muitos programas divertidos e eles gostam muito”, coisa que este ano não aconteceu. Mas não é por isso que se deixam de amar e de estar ligados.

“Estou muito feliz”

Falámos com Tomás na segunda-feira passada. E, verdade seja dita, mesmo não o vendo, pelo facto de o contacto ter sido à distância, a nossa reportagem sentiu o quão estava feliz. Aliás, feliz não. “Muito feliz”, como começou por dizer.
Tomás, de 10 anos, mora em SJM há poucos meses. Frequenta o 5º ano na Escola Básica e Secundária Oliveira Júnior e não há dúvida que é um menino “fora de série”. A ideia da surpresa partiu dele. “Já tinha visto algo parecido nos Morangos com Açúcar e decidi fazer uma coisa do género, mas mais natural”, relatou ao labor, assegurando que quando contou aos pais o que queria fazer “eles acharam incrível”.
Tomás, que não sabe tocar “ainda muito bem viola”, ensaiou durante duas semanas para cantar à madrinha a canção “Canta, amigo, canta”, de António Macedo, que “foi a primeira música que o pai me cantou”. Confessou que “ao princípio estava muito nervoso”. Ficou assim ao ver Diana ao abrir a porta. Mas depois lá acabou por cantar e o resto já se sabe. Trata-se de uma história com final feliz, que ficará para sempre gravada na memória e no coração de ambos. “Fiz o que fiz, porque já tinha saudades do sorriso da minha madrinha! Aquele sorriso entra mesmo em mim!”, revelou.
Hoje, dia 9 de abril, Tomás completa 11 anos. A equipa do jornal labor deseja-lhe uma longa vida, repleta de momentos especiais como este último que viveu com a madrinha.

 

Como é ser uma recém-mamã em tempos de pandemia?

 

“Estou fartinha disto. Estou ansiosa que o ‘bicho’ [Covid-19] ‘morra”, desabafou Diana Francisco. Contando com as semanas em que esteve “em repouso absoluto” para que o seu bebé não nascesse antes do tempo e as em que está em isolamento social devido ao novo coronavírus, esta recém-mamã está em casa “há mais de dois meses”. Depois de o Sebastião nascer, “ainda tive algumas visitas”, o que já não acontece desde que a pandemia também atingiu o nosso país.
Os dias vão-se passando, porque “estamos bem e isso é o que verdadeiramente interessa”. Mas Diana não vê a hora de poder sair à vontade com o Sebastião, assim como de fazer os seus treinos de basquetebol ao final da tarde.
Com “as hormonas ainda à flor da pele”, como descreveu, esta jovem sanjoanense admitiu à nossa reportagem que tem “momentos de tudo”. Não escondeu, por exemplo, sentir “medo” agora que o companheiro regressou ao trabalho. Lá em casa, cumprem-se todas as regras. “Quando ele chega a casa, deixa os sapatos lá fora, toma banho e só depois é que estamos juntos, mas há sempre receio, porque contacta com muitas pessoas”, disse.
Diana e o companheiro ainda falaram na possibilidade de “eu ir para casa dos meus pais”. Só que como estes também ainda estão a trabalhar, o risco seria idêntico. Diana acabou por optar por ficar no seu “cantinho”, onde “tem todas as coisinhas do menino”.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here