De visita a S. João da Madeira, a eurodeputada do partido Sandra Pereira inteirou-se da situação dos trabalhadores da “maior empregadora da região”

 

 No âmbito de uma visita de trabalho ao distrito de Aveiro, a deputada do PCP ao Parlamento Europeu, Sandra Pereira, esteve recentemente em S. João da Madeira a recolher informações sobre a situação laboral no concelho, em particular a dos colaboradores da Faurecia. Esta é, segundo nota de imprensa remetida pela comissão concelhia de S. João da Madeira do PCP,“a maior empregadora da região”, tendo acumulado, só “entre 2017 e 2018”, “lucros no valor de 189 milhões de euros”.

Acontece que, de acordo com o comunicado dos comunistas recebido pelo labor,“perante a situação de pandemia, isso não reverteu a favor dos trabalhadores, já que “a grande maioria das duas unidades da Faurecia encontra-se em layoff; nestas duas unidades, os trabalhadores precários foram os primeiros a ser despedidos, demonstrando como este tipo de contratos são realmente uma antecâmara para o desemprego; e, já no início do surto, os trabalhadores foram enviados para casa recorrendo a empresa ao banco de horas e a férias”.

Para o PCP, “a atual situação de surto epidémico não pode justificar a perda de direitos ou de remunerações”, sendo que “o uso abusivo do instrumento layoff por parte das grandes empresas apenas visa transferir para os trabalhadores e para o orçamento da Segurança Social os custos desta crise epidémica”.

No texto enviado ao nosso jornal, os comunistas ainda referem que “o PCP não minimiza a situação difícil que, em particular, as micro, pequenas e médias empresas enfrentam e o esforço que estão a fazer no atual contexto”, contudo, também fazem questão de deixar claro que “esta não é a realidade das grandes e lucrativas empresas, muitas delas, neste momento, a distribuir dividendos pelos seus acionistas”.

O Partido Comunista Português “continuará a intervir na denúncia e exigência de medidas que salvaguardem os direitos dos trabalhadores e envia uma mensagem de confiança a toda a população dizendo para que não desista de lutar pelos seus direitos e que pode contar com o PCP nessa luta e reivindicação”, remata a nota informativa.

O labor tentou obter, por várias vezes, junto do grupo Faurecia uma reação a este comunicado remetido pelo PCP local, mas até ao fecho da presente edição não recebeu qualquer resposta.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here