Carneiros

0
59

A tarde estava pardacenta ameaçando chuva, e nem sequer convidava à contemplação da natureza apesar do rebentar colorido de Abril.

Encostei-me à ombreira da porta da sala, ao cimo das escadas, entrada que fora sempre a principal da casa. Há muitos anos que deixara de o ser. Pelo piso de baixo era mais rápido e prático. Aquela porta raramente se abria, apenas em dia de Páscoa, para deixar entrar o folar.

Sentei-me na soleira, à espera de um amigo que me havia de transportar umas telas e uns cavaletes. Ouvia a passarada, o chincharravelho ao desafio com melros, papos amarelos, verdilhões, um coro de vozes por ali dispersas, quando, de repente, no quintal vizinho em cima do combro, me apareceu um carneiro de cornos retorcidos a olhar espantado para mim, berrando mé, mé, mé… Percebi que lhe era estranha, porque ali à porta nunca terá ele visto vivalma há que séculos. Perguntei-lhe o que queria, pois eu estava no que era meu. Ele continuou a desafiar-me. Curiosamente veio uma ovelha e enfrentou-me com a mesma altivez, badalando mé, mé, mé… Mais surpreendida fiquei quando um cordeirito se juntou aos pais balindo com voz débil de menino, mas, de focinho erguido, parecia exigir igualmente satisfações do que eu porventura ali estivesse a fazer.

Disse-lhes várias vezes que estava no que era meu, mas os três insistiam em desafiar-me.

Fiquei sem saber ao certo se me cumprimentavam, satisfeitos com a minha presença, ou se me insultavam por lhes perturbar a paz como intrusa. De repente cansaram-se, o carneiro virou costas, seguido pela mulher e pelo filho. Fechei a porta, desci a escada, cortei umas hastes da trepadeira amarela e ouvi ao longe os guizos do rebanho na tranquilidade da tarde.

Carneiros, pensei eu…

Veio-me à cabeça Zeca Afonso: mudem de rumo, mudem de rumo…

 

Eva Cruz

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Loading Facebook Comments ...