O primeiro “Mercado de Rua” ficou marcado pelas elevadas temperaturas que se fizeram sentir sábado passado e que afetaram os vendedores, levando-os a pedir à câmara municipal mais condições para que possam continuar a vender os seus produtos e para que possam manter os seus clientes.

Adelaide Duarte tem 78 anos e vende há mais de 50 fruta e legumes cultivados em casa no Mercado Municipal. “Não me importo de vir vender para a rua, mas as condições é que não são boas”, afirmou a vendedora, indicando como solução ideal aquela que foi usada aquando da última intervenção neste espaço municipal. “Fomos para aquelas barraquinhas e ficámos muito bem tanto para o sol como depois para a chuva”, disse Adelaide Duarte ao labor.

Temperaturas altas à parte, a venda de rua acabou por ser mais positiva do que as do interior. “Nos outros sábados a esta hora (nove da manhã) não tinha vendido tanto como hoje”, assumiu a vendedora, confessando que “até gosto (de vender) mais cá fora do que lá dentro”.

Numa outra banca encontrámos Regina Oliveira, de 56 anos, que concilia a profissão de monitora de formação profissional, em que trabalha com pessoas com deficiência mental, com a continuidade deste negócio de família.

Esta vendedora não concorda com a mudança do interior para o exterior se continuarem com as mesmas condições. “Isto não tem condições nenhumas”, mas se tivesse outras condições “claro” que não se importava de estar no exterior, assumiu Regina Oliveira, apontando, à semelhança de Adelaide, a solução adotada na última intervenção no Mercado.

Para esta vendedora, as vendas mantiveram-se iguais. “Os clientes habituais procuram-nos, mas queixam-se que não têm condições e levam as coisas quentes para casa”, contou Regina Oliveira ao labor.

Já os dois clientes com quem falámos preferem a venda no interior do que no exterior do mercado. “Gosto mais de ir lá dentro. Acho que tem outras condições e é mais confortável do que andar aqui (fora) com este calor”, assumiu Carlos Pereira, de 53 anos, que todos os sábados vai ao mercado. Da mesma opinião é Carla Silva, de 40 anos, também ela cliente assídua deste espaço municipal. Apesar de concordar que com outras condições o Mercado poderia estar no exterior, assim como Carlos. “Eu, pessoalmente, prefiro lá dentro. Acho que aqui fora é mais complicado. Está muito calor. De inverno depois está a chover e não é prático”, considerou a cliente.

Câmara garante que vai “melhorar para as próximas edições”

Confrontado com as queixas apontadas pelos vendedores ao labor, o vice-presidente José Nuno Vieira esclareceu que: “comunicámos logo que este primeiro sábado, sendo o primeiro, servia como experiência e aprendizagem para os próximos” até porque “isto é uma situação que vai acontecer todos os sábados durante um ano até à conclusão das obras e sempre que o tempo o permitir”. Por isso, “vamos agora melhorar (as condições) para as próximas edições”, garantiu José Nuno Vieira, dando como exemplo “pensar em mais soluções que aumentem a área de sombra” e “eventualmente o corte do trânsito neste troço da avenida, ao sábado de manhã, para permitir que as pessoas circulem com mais à vontade sem ter receio dos carros e até permitir uma disposição diferente das bancas”. Tudo isto são “coisas que vamos identificando, ponderando e tentando melhorar”, reforçou o vice-presidente. “De uma forma geral, do que tenho contactado quer com comerciantes, quer com clientes que vêm cá ao mercado é que estão a achar a ideia engraçada. Alguns até dizem que lhes faz lembrar o mercado de antigamente, à moda antiga e realmente fica um bocado com essa característica com esta venda de rua”, concluiu José Nuno Vieira ao labor.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here