Riscos há que se aceitam, quando o horizonte se esvai;

Não se definem as sombras, e há que as definir,

Encobertas pela névoa, que agora sobre nós cai;

Há que arriscar, pois se não que futuro haverá para vir?

 

Tantas são as fatalidades, que pesam nas nossas costas,

Mais as que estarão p´ra vir, certeza mais do que certa,

Se nos limitarmos somente às defesas sempre impostas,

Em avançar, sem corrermos riscos de retoma incerta.

 

Que panorama geral o da nossa juventude?

Na economia, nas artes, no ensino e na cultura,

Sem certezas, só o medo, este a única atitude,

À vista no horizonte, e há que tentar a aventura

 

De braços manietados, mordaças, máscaras, receios!

Se não enchermos o peito, pormos pernas adiante,

Jamais surgirá a luz e do pó estaremos cheios

De vazio e solidão e um futuro invariante!

Foto de Arquivo Labor

Flores Santos Leite

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here