A causa animal voltou a ser o tema mais falado pelo público na última Assembleia Municipal.

As intervenções das munícipes Ana Couto, Luísa Ramalho e Joana Correia focaram a causa animal. Todas elas alertaram para a existência de colónias de gatos que vivem em condições com pouca dignidade e para a necessidade de ser posto em prática o programa CED (Capturar, Esterilizar e Devolver).

No seguimento destas intervenções, o presidente da câmara, Jorge Sequeira, deu a conhecer que “até ao momento só uma pessoa requereu pedido” de apoio à esterilização do seu animal de estimação através do programa criado para esse fim.

Relembramos que a câmara municipal investe cinco mil euros anuais no Programa de Apoio à Esterilização de Cães e Gatos, que entrou em vigor este ano, depois do seu regulamento ter sido aprovado em reunião de câmara, colocado à discussão pública e aprovado pela Assembleia Municipal.

O objetivo deste programa é pagar a esterilização de cães e gatos de famílias sanjoanenses mais desfavorecidas que será feita no Canil Intermunicipal (CI) da Associação de Municípios das Terras de Santa Maria (AMTSM).

O pedido para atribuição de apoio é apresentado em formulário próprio, disponibilizado pelos Serviços de Acolhimento ao Munícipe, aos quais os interessados se devem dirigir pessoalmente, sendo os mesmos analisados e atribuídos por ordem de entrada.

O presidente da câmara, que também preside a AMTSM, deu a conhecer que o CI faz esterilização de cães desde novembro de 2017 e de gatos desde setembro deste ano. “É possível proceder à esterilização de gatos, desde que sejam encaminhados pelo Município, através da veterinária municipal, e à sua devolução às colónias”, afirmou Jorge Sequeira, adiantando que a veterinária contratada pelo CI para fazer esterilizações vai passar “brevemente” de dois para quatro dias de serviço.

Só este ano, até agosto, 462 cães foram esterilizados no CI e desde que iniciou as esterilizações, em novembro de 2017, 1.202 animais já foram esterilizados, deu a conhecer Jorge Sequeira, não tendo, para já, os dados das esterilizações de gatos que começaram em setembro deste ano.

A câmara pretende ainda pedir o reembolso das esterilizações junto da DGAV (Direção-Geral de Alimentação e Veterinária). ODespacho 6615/2020, dos gabinetes dos secretários de Estado do Orçamento, da Descentralização e da Administração Local e da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, autorizou a transferência de 500 mil euros, proveniente da dotação de receitas de impostos do orçamento de funcionamento da DGAV, para apoiar os centros de recolha oficial de animais nos processos de esterilização de cães e gatos de companhia e a transferência de 150 mil euros para a realização de ações de sensibilização da população para os benefícios da esterilização de animais não destinados à criação. O presidente da câmara deu ainda a conhecer que está em curso uma campanha gráfica para fomentar a adoção de animais no Albergue Municipal e no Canil Intermunicipal.

 

Câmara vai comprar abrigo para gatos

E criar a primeira colónia na Avenida do Brasil

No seguimento da intervenção da munícipe Ana Couto sobre a colocação de um equipamento para gatos comprado por uma terceira parte na cidade, Jorge Sequeira, disse que a câmara decidiu comprar ela própria um equipamento que será colocado num espaço público.

Depois de receber o abrigo, a câmara vai criar a primeira colónia de gatos na Avenida do Brasil, junto ao Complexo de Ténis, e implementar o CED. A colónia vai ter um nome, que ainda não está decidido, e um cuidador, adiantou o vice-presidente, à margem da assembleia, ao labor, esperando conseguir concretizar tudo isto “em outubro”. Este é um projeto piloto que vai ser implementado naquela zona, avaliado e só quando estiver estabilizado é que será replicado em toda a cidade.

O presidente da câmara discordou ainda da afirmação da municipe de que não há comunicação entre a câmara, o cidadão e os intervenientes em ações que envolvem animais como a veterinária municipal e forças de segurança. “Não posso concordar quando diz que não há comunicação. O Município recebe dezenas de solicitações todos os dias e vai respondendo”,  defendeu Jorge Sequeira, considerando que “se há exemplo da atenção dada a pedidos dos munícipes é a própria Ana Couto” que sugeriu a adoção de dois gatos e a criação de um componente para os materiais usados pelas pessoas diabéticas. Apesar destas duas propostas já terem sido concretizadas pela câmara, Ana Couto não ficou até ao fim da resposta de Jorge Sequeira. O presidente lamentou que “vá embora, mas os gestos ficam com quem os pratica”.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here