AD Sanjoanense, 0 – AD Castro Daire, 0

Jogo no Estádio Conde Dias Garcia.

Árbitro: João Carvalho, auxiliado por Rui Martins e Luís Meira (AF Porto).

AD Sanjoanense: Diogo Almeida, Sandro, Ricardo (Barbosa, 57), Gil Barros, Danso, Zé Leite, Godinho, Aldair, Eecion (Mário, 57’), Jean (Dinis, 75), Élder.

Suplentes: Rui Mota, Jota, Barbosa, Dinis, Mário, Paulinho, Daniel.

Treinador: Sérgio Machado.

AD Castro Daire: Pedro Gonçalves, Luís Henrique, Luís Pedro, Fred Lopes (Hugo Parente, 92’), Pedro Marado (Luís Paiva, 79’), João Bandeira (Carlitos, 87’), Márcio Santos, Luís Barry, Márcio Rocha, Paulo Oliveira, Rui Cardoso.

Suplentes: Tomás Correia, Edu Leal, Carlitos, Luís Paiva, Hugo Parente.

Treinador: Vasco Almeida.

Ação disciplinar: Cartão amarelo para Ricardo (29’), Luís Pedro (33’), Élder (38’), Barbosa (58’), Pedro Marado (64’), Danso (72’), Luís Henrique (85’), Rui Cardoso (91’), Diogo Almeida (92’).

A Sanjoanense voltou a perder pontos no último domingo empatando a zero na receção ao Castro Daire, num jogo em que os alvinegros não realizaram uma boa exibição, mas o trabalho da equipa de arbitragem também esteve longe do que seria esperado.

Apresentando um 11 inicial com algumas alterações em relação ao habitual, os homens de Sérgio Machado procuraram desde cedo tomar conta da partida, mas depararam-se com um adversário que, talvez motivado pela vitória na jornada anterior e mesmo sem efetuar uma grande exibição, foi condicionando a progressão dos locais. E foi mesmo o Castro Daire o primeiro a rondar com perigo a baliza quando aos 10 minutos Gil Barros conseguiu chegar a tempo para desviar para canto um cruzamento que seguia direto a Pedro Marado. Na cobrança do lance Márcio Santos, com um remate de primeira de fora da área, atira forte mas ao lado.

A Sanjoanense reagiu, ganhou algum ascendente e assumiu, durante alguns momentos, o domínio do jogo e antes do intervalo teve duas boas oportunidades para inaugurar o marcador. Aos 19 minutos Danso tenta responder a um cruzamento longo para o coração da área, mas a bola sobra para Élder Santana que, com um pontapé acrobático, obriga Pedro Gonçalves a uma defesa apertada. O brasileiro parecia inconformado e dois minutos depois cabeceia à trave na sequência de um canto.

À passagem da meia hora o jogo perdeu intensidade e as situações de perigo desapareceram e o marcador acabaria por se manter inalterado até ao intervalo.

Na segunda parte um Castro Daire mais acutilante criou mais dificuldades aos homens de Sérgio Machado, que na tentativa de recuperar algum domínio não demorou a realizar duas alterações em simultâneo. Mas foi preciso esperar pelo último quarto de hora para que o perigo voltasse a rondar as balizas e foi a Sanjoanense que esteve mais perto do golo com Mário, que pouco antes havia entrado para o lugar de Eecion, a rematar forte, mas por cima da trave.

Com o jogo a caminhar para o fim, Zé Leite teve nos pés a última oportunidade da partida, mas em desequilíbrio o avançado envia a bola por cima da trave.

No próximo domingo a Sanjoanense desloca-se a Espinho, formação que continua sem somar qualquer ponto.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here