Mais três do que os quatro milhões inicialmente previstos, e criará 35 postos de trabalho

 

O Grupo Hoti Hotéis vai explorar o Palacete dos Condes Dias Garcia em S. João da Madeira.

No âmbito do programa Revive, uma iniciativa conjunta dos ministérios da Economia, Finanças e Cultura, com os municípios, que tem o objetivo de conceder a privados a reabilitação e a gestão do património histórico, foi assinado o contrato de concessão do imóvel sanjoanense no passado dia 29 de outubro na Casa da Criatividade.

A Câmara Municipal de S. João da Madeira apresentou a candidatura de concessão do Palacete dos Condes através de um concurso público que foi adjudicada ao Grupo Hoti Hotéis, durante 50 anos, período durante o qual terá de pagar uma renda de30.528,00 euros anuais.

O Grupo Hoti Hotéis vai transformar o Palacete dos Condes num hotel de quatro estrelas superior da marca Melia que representa um investimento de sete milhões de euros, mais três do que os quatro milhões previstos. “O investimento inicialmente previsto era de quatro milhões, era pequeno. Vamos mais longe e vamos ter um volume a acrescentar que está quantificado em sete milhões de euros” e que “permitirá ter um hotel com 90 quartos e criará 35 novos empregos”, anunciou Manuel Proença, presidente do grupo, durante a cerimónia de assinatura do contrato.

Apesar do setor do turismo estar a “lutar pela sobrevivência” no meio desta pandemia, “o grupo decidiu ainda assim apostar em S. João da Madeira” por inúmeras razões. “Acreditamos nas capacidades desta área de Turismo Industrial”, “acreditamos na recuperação do turismo dentro de dois anos” e “acredito muito neste tipo de hotelaria” em que é associado um hotel a um património cultural porque “liga extraordinariamente bem,” como provam outros casos semelhantes existentes no país, afirmou Manuel Proença.

DR

Com este novo investimento, o grupo terá um total de 10 hotéis só nesta região do Porto e do Norte de Portugal. “Uma zona com grande potencial de turismo urbano e industrial que queremos explorar”, assumiu o presidente, para quem a região do Porto e do Norte, pela “importância que já tem, justifica da parte da tutela um investimento maior na promoção, particularmente a externa,” e da parte da TAP uma atenção que espera que leve a que “venha a inverter a sua política de atuação”. Manuel Proença deixou ainda uma palavra a Jorge Sequeira, “um presidente amigo do investimento e voltado para o desenvolvimento”.

 

Um “ato de resistência” e “patriótico porque dá esperança aos sanjoanenses e ao país”

 

O presidente da câmara sanjoanense descreveu a assinatura do contrato de concessão do Palacete dos Condes como um “ato de resistência” por parte do investidor e por parte do próprio edifício. “Num contexto de grande adversidade, de crise profunda, de redução de atividade”, o empresário pratica este ato que além de resistência, também é “patriótico porque dá esperança aos sanjoanenses e ao país”. Já o Palacete dos Condes que foi construído para ser a residência familiar de António Dias Garcia, sanjoanense que fez fortuna no negócio das ferragens no Brasil, no virar do século XIX/XX, acabou ser doado como património histórico de S. João da Madeira e por ser utilizado para outros fins como Tribunal, Conservatória do Registo Civil e Comercial, Liceu, Centro de Formação Profissional da Indústria do Calçado e Instituto de Línguas. O Palacete dos Condes é “um edifício que resiste ao tempo, à história, que estava devoluto há 30 anos porque em 1990, enquanto lá funcionava o Tribunal, um arguido descontente terá ateado o incêndio que o terá destruído quase por completo”, recordou Jorge Sequeira. Neste novo tempo e nesta nova história “ele vai reviver, renascer e ter um destino importante para a projeção da nossa cidade e para a economia desta região”, destacou o autarca que lidera o executivo socialista responsável por “agarrar esta oportunidade” de o Palacete ser alvo de “um investimento muito importante por parte de um grupo hoteleiro reputado, prestigiado que assegura a qualidade da intervenção arquitetónica, do serviço e de atração de clientela”.

 

“O património cultural é passado que se transforma em futuro”

 

A cerimónia contou ainda com a presença e a intervenção de Teresa Monteiro, vice-presidente do Turismo de Portugal, Ângela Ferreira, secretária de Estado Adjunta e do Património Cultural, e Rita Marques, secretária de Estado da Cultura. “Neste momento difícil que vivemos é importante continuar a existir empresários que acreditam que temos futuro e continuam a investir no nosso património”, salientou Teresa Monteiro. Por sua vez, Ângela Ferreira destacou o facto de o Revive permitir “devolver centralidade e importância a este edifício”, “reforçar a coesão económica e social do território” e “descentralizar a oferta concentrada nos grandes centros urbanos”. Desta forma, “o património cultural é passado que se transforma em futuro”. Já Rita Marques admitiu que “o presente é incerto, mas o futuro é certo. Sabemos que vamos conseguir resistir, continuar a ser resilientes, muito criativos e ainda mais coesos”. Nesse sentido, o Governo está “a trabalhar em duas grandes prioridades” que são o presente e o futuro. “No presente garantindo apoios adequados à manutenção dos postos de trabalho, mas sem descurar o futuro através de programas como Revive”, concluiu a governante.

 

De Palacete a Hotel de quatro estrelas

Com 90 quartos, SPA, piscina interior e exterior, salas de reuniões e de eventos, restaurante e bar

 

O Grupo Hoti Hotéis vai criar um hotel de quatro estrelas superior com 90 quartos, SPA, piscina interior e exterior, salas de reuniões e de eventos, restaurante, bar, entre outros, com “padrões de qualidade da marca Melia pelo que aumentará o investimento estimado em concurso”, avançou Manuel Proença ao labor.

DR

Para já “vamos começar de imediato com os estudos e projetos de arquitetura. A obra só deverá começar quando o projeto de licenciamento estiver concluído e o mercado retomar alguma normalidade”, explicou o presidente do grupo, revelando que o prazo de execução da obra “estava previsto ser 24 meses”, mas “no atual contexto será superior”. Também devido ao atual contexto “não faz sentido termos datas para a abertura do hotel. Teremos várias fases prévias que determinarão a data de abertura”, esclareceu Manuel Proença, não se comprometendo assim com o prazo de abertura para 2022, previsto antes da pandemia, mas ao longo de 2023.

Com este hotel “iremos criar 35 postos de trabalho direto e de forma indireta o projeto induzirá outros 35 empregos relacionados com atividades subcontratadas”, adiantou o presidente do grupo, dando a conhecer ao labor que “o processo de recrutamento será iniciado seis meses antes da data de abertura”.

 

Revive

33 imóveis incluídos na fase

16 imóveis incluídos na fase, 1 deles o Palacete dos Condes

20 procedimentos concursais para adjudicação e concessão de imóveis

O Palacete dos Condes foi o 17º contrato assinado neste âmbito

130 milhões de euros de investimento privado em património público

2,4 milhões de euros das rendas pagas pelos concessionários vão para o Estado

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Loading Facebook Comments ...