“Uma subida significativa, grave e crítica em linha com o que está a acontecer na zona norte do país, na Área Metropolitana do Porto e de Lisboa”, disse o presidente Jorge Sequeira

S. João da Madeira é um dos 121 concelhos de alto risco que tem de cumprir medidas especiais do novo estado de emergência decretado pelo Governo.

O concelho sanjoanense registava 99 casos confirmados a 1 de setembro e 535 a 11 de novembro.

“Infelizmente a propagação da doença tem sido assinalável. Em dois meses tivemos uma subida significativa, grave e crítica em linha com o que está a acontecer na zona norte do país, na Área Metropolitana do Porto e de Lisboa”, disse o presidente Jorge Sequeira, durante a reunião de câmara realizada esta terça-feira à tarde através da plataforma Zoom, mencionando um conjunto de medidas de sensibilização e prevenção adotadas pelo executivo como o encerramento dos cemitérios no fim de semana dos Dias dos Finados e de Todos os Santos, ações da polícia e da proteção civil em estabelecimentos comerciais, o cancelamento dos eventos culturais de 1 a 22 de novembro, uma campanha dirigida aos alunos durante a pausa letiva e mais recentemente o encerramento dos museus da Chapelaria e do Calçado e do Centro de Arte Oliva durante os próximos dois fins de semana devido à proibição de circulação a partir das 13h00 imposta pelo novo estado de emergência.

Perante “uma pandemia que afeta todo o mundo, todas as pessoas, não resta outra alternativa a não ser saber gerir o momento, realinhar as prioridades e concentrar os esforços naquilo que é essencial”, considerou Jorge Sequeira, assegurando que a câmara está “atenta à evolução da situação”. “Sempre dissemos que as medidas a tomar, quer sanitárias, quer económicas e sociais, iam adaptar-se às medidas das circunstâncias”, recordou o autarca.

Autoridade de Saúde Local sem capacidade para divulgar número de casos em vigilância

A câmara municipal passou a revelar o número de novos casos confirmados de infeção por Covid-19 em relação ao dia anterior, uma mudança na transmissão da informação à comunidade que mereceu menção por parte de Paulo Cavaleiro. Para o vereador da oposição a comunicação dos dados da pandemia continua a “não ser perfeita, mas mudou” em relação à anterior que se limitava a dar o número de casos confirmados e em vigilância ativa. Para além destes dados, a câmara municipal divulga o número de casos recuperados de três em três meses, tendo-o feito pela primeira vez em setembro e estando prevista nova atualização em fins de novembro ou inícios de dezembro.

Se por um lado temos um novo dado, o número de novos casos diários, passamos a ter menos outro, o de casos em vigilância ativa, desde o dia 22 de outubro, devido ao aumento do volume de trabalho da autoridade de saúde local, o que leva a que não tenha capacidade para continuar a dar este dado atualizado à câmara municipal. “Preocupa-me não ter informação sobre o número de pessoas em vigilância por dificuldade do próprio serviço, segundo disse o presidente”, manifestou Paulo Cavaleiro, questionando a câmara se “já procurou ou se disponibilizou a encontrar soluções para que este serviço possa ser executado”. O presidente da câmara revelou que “já tínhamos feito essa disponibilização há muito tempo” junto da autoridade de saúde de local e até do Governo, confirmando a existência de funcionários públicos identificados com “potencial para essa formação e prestação de apoio”. Aliás, “na última resolução do conselho de ministros essa possibilidade está prevista”, relembrou Jorge Sequeira.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here