Castanhas

0
45

As castanhas são castanhas, de um castanho retinto, a cor em toda a plenitude. São lindas e femininas. Fruto e semente no mesmo coração. Nascem de um parto, às vezes prematuro, outras vezes natural, outras vezes com ajuda. O ouriço, o capote, abre-se e deixa ver dentro o casaco, adivinhando-se a camisa coladinha ao corpo. As castanhas aninhadas no útero, brilhantes e a sorrir. Umas soltam-se lá de cima do castanheiro, caem ao chão e abrem-se naturalmente, ou são abertas com os tacões dos sapatos de quem as quer apanhar. As mais renitentes só vêm a luz do dia depois de uns tempos na choça, quando os ouriços abrem de livre vontade. Para além das nozes e dos dióspiros, as castanhas são talvez o fruto mais tardio, e talvez por isso, o menos atacado pelos pássaros rabaceiros que tudo comem e tudo picam.

Um mar de castanhas espalha-se pelo chão. O ritual de as apanhar faz doer as costas, mas a beleza das cestas cheias de brilho recompensa. Estendidas na varanda, abertas ao sol da manhã, tornam-se menos inchadas, mais baças e mais doces, prontas para assar, para cozer ou mesmo roer. Algumas são gémeas e quando alguém encontra uma diz – Bom dia filipina, com o sobressalto de quem ganha e o sorriso de quem perde. Jogo infantil de grande ingenuidade, já longe na memória dos que há muito foram crianças. Parece que teve origem na Alemanha – Vielliebchen ou Phillipchen e serviu de inspiração a alguns poetas.

Da chaminé sai fumo com cheiro a resina. A lareira está acesa e bem cheia de lume. Às achas grossas, junto lenha seca de vide que a tudo dá um calor diferente. Quando a fogueira acalma, puxo com a tenaz umas brasas ao rubro para a boca da lareira. Dou um golpe nas castanhas, escolho as que me parecem mais sãs, e coloco-as sobre as brasas. Cubro-as de cinza branca e deixo-as assar lentamente. Enquanto espero, os meus olhos param naquele lume quase tão antigo como o tempo, e o pensamento voa em todas as direcções. E vejo a cidade, onde fumegam os carrinhos do assador e o cheiro adocicado se espalha pelo ar do Inverno, numa mistura de fumo e nevoeiro. Cobertas de cinza branca, vendidas em cartuchinhos de jornal, fazem a delícia de quem as saboreia ao longo da rua.

Com a tenaz, vou-as descobrindo uma a uma, fazendo-as pular nas mãos para arrefecerem, abro-as ao meio e ponho dentro uma pitada de manteiga, como fazia minha mãe. A camisa sai facilmente e o sabor…não tenho dúvidas de que é a saudade.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here