“Aguentamos se estivermos a meter dinheiro”, mas “quando se tira e não se põe, ele acaba”, constatou João Paulo Moreira, gerente do Pede Salsa, ao labor

O Pede Salsa tem 34 anos de existência e é um dos bares mais antigos de S. João da Madeira. Em abril de 2021 comemora nove anos sob a gerência de João Paulo Moreira.

“Quando tomei conta deste estabelecimento estávamos numa fase de crise. Consegui dar a volta. Neste momento não há comparação com a crise que passámos na altura”.

No início da pandemia fechou antes de ser obrigatório porque “as pessoas já não estavam a sair de casa”. Esteve dois meses com as portas fechadas e reabriu com limitações no número de pessoas e no horário. “Isto é um café/bar em que os dias fortes de trabalho são ao fim de semana, principalmente as noites de fim de semana, e perdemos isso”, o que levou a “uma quebra muito grande. Arranquei com uma quebra na casa dos 50/60%, mas de repente começa a disparar”, revelou o gerente. A estas limitações acresceram os constrangimentos provocados pelas obras no centro cívico, mais especificamente na Rua Padre Oliveira, onde está situado o Pede Salsa. Portanto, “tudo a ajudar pela negativa”. Por enquanto, “aguentamos se estivermos a meter dinheiro”, mas “quando se tira e não se põe, ele acaba”, constatou João Paulo Moreira.

Em relação às medidas cada vez mais limitadas em termos de número de pessoas e de horários dos estabelecimentos, o gerente sente-se “completamente” injustiçado. “Quase somos os culpados desta pandemia”, lamentou João Paulo Moreira, em nome de todos os que têm negócios na área da restauração e similares, uma vez que o perigo de contágio existe de igual forma em outros espaços e equipamentos.

“CÂMARA TEM POSSIBILIDADE PARA DAR NOVOS APOIOS
SE CONSEGUE GASTAR 70 MIL EUROS EM ILUMINAÇÃO DE NATAL”

O empresário recorreu ao lay-off por parte do Governo, beneficiou da isenção do pagamento das tarifas da fatura de água, durante três meses, por parte da câmara municipal, e continua a estar isento da taxa de esplanada até ao fim do ano. Apesar de ter estes apoios, esperava mais dos governantes a nível nacional e local. O lay-off “não é suficiente porque estive com a porta fechada, faturação zero, mas com despesas” como pagar a segurança social dos trabalhadores e o consumo das máquinas que não podiam ser completamente desligadas. Já as medidas adotadas pela câmara municipal “não chegam”. “Acho que a câmara tem possibilidade para dar novos apoios se consegue gastar 70 mil euros em iluminação de Natal para favorecer o comércio local”, disse João Paulo Moreira, duvidando que este investimento tenha o dito efeito. “Se fosse em tempos normais, sem esta pandemia, se calhar ajudava um bocadinho. Agora com as restrições todas e o medo que as pessoas têm neste momento, acho que não vai ser a iluminação que vai ajudar”, declarou o gerente do bar. “Entendo que a iluminação para uma cidade não é fechada de um mês para o outro, mas num ano atípico medidas atípicas”, considerou João Paulo Moreira, indicando os atos de outras câmaras que converteram o valor gasto com o Natal em apoio ao comércio e aos carenciados.

APOIOS À RESTAURAÇÃO E SIMILARES

SE A COMPARAÇÃO FOSSE FEITA COM O ANO ANTERIOR, “ASSIM SERIA JUSTO”

Em relação à linha de apoio ao setor da restauração e similares previsto para esta se- gunda fase, a Autoridade Tributária irá apurar uma média da receita das empresas nos 44 ns de semana desde o início até ao nal de outu- bro deste ano. Desde ontem, 25 de novembro, os empresários terão de comunicar no portal 2020, sob compromisso de honra, qual a receita realizada nos dois ns de semana do con na- mento. Receita essa que será comparada com a média anterior para calcular a perda. Da total quebra de faturação que daí resulte o Governo assegurará uma compensação de 20%. Se a comparação fosse feita com os meses do ano anterior, “assim seria justo”, frisou João Paulo Moreira ao labor.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here