Liliana Trindade Guimarães, também conhecida por Lee, faz entregas de pão em S. João da Madeira, de 15 em 15 dias 

 

Cada pão demora três dias a ser feito. E é feito “com a melhor farinha disponível, sem aditivos nem fermento, dando-lhe o tempo e o amor necessários para que cresça e se desenvolva, tal como uma mãe faz com seus filhos”. “É pão de verdade, que enche, mas não incha”, garantiu Liliana Trindade Guimarães, de 37 anos, ao nosso jornal, acrescentando que o seu pão “traz de volta a memória do pão de antigamente”.

A ex-jornalista do labor é o rosto do projeto “Trindade”, que nos últimos tempos tem dado que falar. Aliás, ainda recentemente foi notícia na revista Visão.

Tornar projeto num “negócio de família” é objetivo

Com a declaração do primeiro estado de emergência devido à pandemia, em março de 2020, os dois empregos precários que Liliana Trindade Guimarães tinha ficaram suspensos, tendo toda esta situação inesperada sido “uma oportunidade para criar algo que me representasse, uma marca que fosse como eu própria no mundo”. “Este projeto é a minha identidade [e também “a minha liberdade”], faço os pães de que mais gosto, da maneira que me parece mais correta, tento vender a um preço justo”, disse esta jovem sanjoanense residente no Porto, cujo objetivo agora “é crescer o suficiente para que este se torne um negócio de família, podendo ter a minha irmã a gerir o projeto enquanto me dedico exclusivamente à produção”.

A escolha do seu nome do meio – “Trindade” – para o projeto deve-se ao facto de “‘Trindade’ ser o nome da minha mãe e de eu querer homenageá-la de alguma forma. E também porque remete para a Santíssima Trindade do pão de verdade: farinha, água e sal”, conforme explicou.

Liliana Trindade Guimarães vive única e exclusivamente de fazer pão

Além de ter sido jornalista no labor, Liliana Trindade Guimarães fez serviço voluntário europeu, na Estónia; foi empregada de limpeza numa imobiliária de luxo, na Córsega; estudou cozinha, área na qual também deu formação; trabalhou em alguns restaurantes e ainda em nutrição personalizada com atletas de alto rendimento.

E, “a par destes últimos trabalhos”, começou em 2017 a fazer pão em casa, para se preparar para um workshop que ia dar na altura, mas também “para casa e para dar ou vender aos amigos e vizinhos”. E a verdade é que nunca mais parou, vivendo única e exclusivamente de fazer pão desde abril do ano passado.

Espaço de produção situa-se na Praça Dom Afonso V, no Porto

Após ter estado a produzir em casa e num espaço partilhado com uma amiga, no verão de 2020 decidiu investir num forno profissional. Também alugou uma área de produção num estabelecimento comercial, situado na Praça Dom Afonso V (Cristo Rei), no Porto, entre Serralves e o Mercado da Foz. Por enquanto, não tem uma porta aberta ao público, mas “em breve” terá também um ponto de venda no mesmo local.

Atualmente, o seu dia “começa bem cedo, ainda de noite”. Liliana Trindade Guimarães contou ao nosso semanário que “amasso o pão de amanhã enquanto cozo o de hoje. Embalo o pão que é depois distribuído por outra pessoa, tenho ajuda nesta parte, sim. Enquanto ele distribui o pão eu preparo o do dia seguinte, com a massa-mãe que preparei no dia anterior. Ou seja, no total é um processo de três dias. Depois de uma primeira fermentação a frio, o pão é pesado, cortado e tendido por volta da hora de almoço. Fica então em cestos de fermentação, no frigorífico, até ao dia seguinte”.

Já à tarde, normalmente, aproveita “para fazer trabalho de escritório, compras, limpezas, etc.”. E depois? “Depois é ir dormir à hora de jantar e começar tudo de novo”, conforme descreveu à nossa reportagem.

Vários tipos de pão, “todos de fermentação natural”

Para já, Liliana Trindade Guimarães faz apenas pão, de vários tipos: “São todos de fermentação natural, ou seja, crescem e fermentam num período de tempo longo (aproximadamente 24 horas), por ação de uma cultura microbiana que eu mantenho alimentada diariamente”. É a chamada massa-mãe que confere ao pão maior digeribilidade, mais validade e um sabor característico”.

Neste momento, “Trindade” tem para venda pão de mistura de trigo e centeio, pão de trigo integral, 100% espelta com massa-mãe de centeio e 100% centeio – todos feitos com farinhas moídas em mós de pedra, ou seja, mais integrais. Para além disso, também tem um pão doce, ao qual Liliana Guimarães chamou “trioche” por ter partido do brioche clássico para chegar a uma versão com massa-mãe.

No futuro, a intenção da empresária “é fazer mais variedades de pão, ter mais opções disponíveis e apenas dois ou três produtos de pastelaria”.

Próxima entrega de pão em S. João da Madeira será no dia 22

Por enquanto, as pessoas só têm acesso ao pão de verdade de Liliana Trindade

Guimarães por encomenda, que pode ser feita diretamente no site (www.trindadepaoartesanal.com)ou através das redes sociais, sempre com dois dias de antecedência, no mínimo. O pão pode ser levantado no espaço da Praça Dom Afonso V “ou entregue em casa se a morada estiver dentro da nossa rota [Porto]”.  Está disponível ainda em dois restaurantes no Passeio Alegre, também no Porto.

Para além disso, Liliana Trindade Guimarães faz entregas na Praça Luís Ribeiro, em S. João da Madeira, a cada duas semanas, sendo que a próxima será já no dia 22 de janeiro, à tarde.

Loading Facebook Comments ...

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here