Até à data de ontem, dia de fecho da edição, o Governo mantinha a decisão das
creches, escolas e universidades continuarem em pleno funcionamento.
De todas as medidas do novo confinamento esta é a que mais tem dividido a comunidade
científica e a comunidade educativa. Na área da educação e formação, o Governo decidiu
fechar escolas de línguas, escolas de condução e centros de explicações. Apesar do fecho dos ATL´s estar previsto numa fase inicial, o Governo recuou e decidiu fechar apenas aqueles cujos alunos têm mais de 12 anos.
Apesar de concordar com a abertura das escolas, Anabela Brandão considera que “a sociedade não tinha nada a perder se os alunos do 10º ao 12º ano tivessem ficado em ensino à distância nos próximos 15 dias” uma vez que esta “seria uma forma de reduzir muito as interações na comunidade”. “O problema não está dentro das escolas, o problema está na circulação fora das escolas”, considerou a diretora do Agrupamento de Escolas (AE) Dr. Serafim Leite ao labor.
Neste novo confinamento “pensámos que o secundário ia ficar em casa”. Agora, “mais
do que em março, as escolas estão preparadas para o ensino à distância”, considerou Mário
Coelho. “O problema não é das escolas” porque “temos todas as condições de higiene
e segurança”. “Atendendo ao Estado de Emergência, o que não me parece bem é ver
tanta gente nas ruas”, constatou o diretor do AE Oliveira Júnior.

“A escola é um lugar seguro, mas também é um lugar onde convivem centenas de pessoas de proveniências diversas”

“Vejo com grande preocupação o facto de o encerramento das escolas estar a ser protelado. Não sou um especialista na área, mas as evidências científicas que têm vindo
a público apontam todas para a necessidade de os alunos a partir dos 12 anos passarem,
durante algum tempo, a ter aulas à distância.
A escola é um lugar seguro, sim, mas também é um lugar onde convivem, quotidianamente, centenas de pessoas de proveniências diversas”, afirmou António Mota Garcia, alertando para os constrangimentos do ensino à distância que precisam de ser melhorados. “A conexão à internet, que antes já era problemática, tem vindo a manifestar-se ainda mais frágil, nomeadamente quando temos várias salas de aula, em simultâneo, a aceder (no nosso caso via plataforma TEAMS)”, revelou o diretor do AE João da Silva Correia.

“Mais responsabilidade de todos” é o que é pedido e o que deve ser cumprido, destacou
Joaquim Valente, diretor Centro de Educação Integral, ao labor.

“Ensino à distância provou ser menos eficaz que o presencial”

A Federação Concelhia de Associações de Pais de S. João da Madeira (FECAP) defende
que “as escolas devem permanecer abertas desde que salvaguardadas e reforçadas todas
as medidas de proteção dos vários atores de educação, em especial das crianças e dos jovens”.
“É nossa opinião que nas escolas se tem desenvolvido um bom trabalho de prevenção e as medidas implementadas pelos agrupamentos têm sido eficazes. Os estudos efetuados às crianças e aos jovens depois do confinamento de março demonstram que o ensino à distância provou ser menos eficaz que o presencial e que os prejuízos provocados à aprendizagem seriam alavancados por um novo encerramento das escolas”, afirmou o seu presidente Ricardo Mota ao nosso jornal.

 

Coligação insiste na realização de testes nas escolas

A coligação PSD/CDS-PP voltou a manifestar a sua intenção de realizar testes nas
escolas sanjoanenses durante a última reunião de câmara, realizada esta terça-feira à
tarde, por videoconferência.

“No que diz respeito às escolas, agora que vai acabar o primeiro semestre, devia ser ponderada a hipótese de fazer testes antes de iniciar o segundo semestre”, sugeriu o vereador Paulo Cavaleiro, dando como exemplo o que aconteceu em Ponte da Barca. A câmara municipal decidiu realizar testes aos alunos e detetou vários casos de infeção que não estavam identificados. Para já, o Governo decidiu apenas fazer testes rápidos Covid-19 nas escolas com o ensino secundário dos concelhos em risco de contágio extremamente elevado.

O processo começou ontem. Por enquanto. S. João da Madeira permanece como concelho de risco muito elevado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Loading Facebook Comments ...