Na última reunião de câmara, Paulo Cavaleiro, em nome da coligação PSD/CDS-PP, agradeceu “a todo o pessoal de saúde”, associando-se ainda aos restantes “agradecimentos que o presidente fez (ver texto na página4)”. Mas também aproveitou a ocasião para lembrar que, no que diz respeito às medidas de combate à propagação do novo coronavírus, “aquilo que ambicionávamos foi mais do que aquilo que foi executado”.

O vereador da oposição disse gostar de ver o mesmo “empenho” que a autarquia está a ter com o Centro Municipal de Vacinação “em outras áreas” como, por exemplo, com a “questão da testagem”. “Desde a primeira hora que alertámos que este era verdadeiramente o ponto chave no combate a esta doença”, sublinhou, acrescentando que “a nossa grande falha foi ao nível dos testes”.

E por falar em testes à Covid-19, Paulo Cavaleiro voltou a defender a testagem de comerciantes antes da reabertura dos seus negócios, à semelhança do que aconteceu em outros municípios. Para além disso, defendeu um plano de desconfinamento local de forma a ajudar “a combater a grave crise que muitos destes pequenos comerciantes enfrentam”. “Devíamos ter já uma estratégia para ajudar, sobretudo, aqueles que estão a ter um impacto brutal na sua vida. [Aliás] Sabemos que provavelmente alguns já não vão reabrir os seus negócios”, chamou à atenção.

Câmara não foi omissa relativamente à política de testagem”

Em resposta, o presidente da câmara começou por deixar claro que “a testagem foi sempre articulada com a autoridade de saúde” e que seguiram “sempre a doutrina da autoridade de saúde local, que está no terreno e controla a pandemia em S. João da Madeira, e a doutrina nacional. Além do mais, como vincou Jorge Sequeira, “a câmara não foi omissa relativamente à política de testagem, porque logo no início promovemos a testagem de funcionários da Santa Casa da Misericórdia, com testes rápidos, de pessoal da Cerci, da ACAIS e bombeiros”.

Seguimos as orientações da Direção-Geral da Saúde, a prática da esmagadora maioria dos municípios do país e aquilo que a cada momento foi recomendado pela autoridade de saúde local”, reforçou a ideia, fazendo ver também que “estamos perante uma crise nova em que as orientações mudam”.

Ainda a propósito, mencionou “o esforço que logo no início [da crise pandémica] fez para que abrisse um centro regional de testes” em S. João da Madeira e, agora, um Centro Municipal de Vacinação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Loading Facebook Comments ...