Fora de portas levamos, além de máscaras o olhar,
Meio encobertos tentamos saber quem nos surge em frente…
Será um amigo ou não? A dúvida sempre a teimar:
Cumprimento ou não quem vem? Cumprimento certamente!

 

Quem será este cristão? Até será muçulmano,
Pelo sim ou pelo não: boa tarde meu amigo;
Por trás da máscara a voz, que pouco terá de humano,
Tão velada andará para nosso eterno castigo!

 

Agora a saudação menos que um gesto amigável,
Traz algo de automático, p´ra se cumprir o registo,
Que outrora era algo mais, a denunciar nosso afável,
Talvez um pouco de amor, e que sempre era bem visto…

 

E assim vai-se perdendo, aos poucos, gestos usuais,
Traduzidos pelo vírus, talvez em simples momices,
De cotovelos e pés e punhos outros que tais,
Mais próprios, talvez simiescos, trejeitos de macaquices…

 

Desculpemo-nos uns aos outros, julgamos ser temporário,
Tal tipo de saudação, tão malévolo e bacano!
Aguardemos novos tempos, p´ra se voltar ao diário,
Dos velhos gestos tão simples, mais próprios do ser humano.

Flores Santos Leite

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Loading Facebook Comments ...