O que é uma cidade?

0
48
Galiza: uma cidade turística deserta (do autor)

Pergunta: A cidade será diferente após a Covid?

Resposta curta: É uma oportunidade para reinventar certas cidades

Resposta longa:

O longo período que as pessoas têm vivido sob a ameaça da Covid-19 seria argumento único e valioso para reflectir quanto a comportamentos urbanos. Contudo é pouco provável que a população abdique dos seus hábitos citadinos, ou mude o seu quotidiano pois essas transformações trariam uma revolução imprevisível nos desígnios económicos
das sociedades.
Mas existem lições a tirar que podem ser benéficas para a cidade em si. Por exemplo, o incremento de actividades em “espaço aberto”, quer de lazer, quer comerciais. Seria de prever que com a passagem da Covid, as pessoas em geral ganhassem maior antipatia pelos shoppings ou outras grandes superfícies comerciais. Estes por serem espaços fechados, com climatizações algo invisíveis, e que suscitam sempre alguma desconfiança quanto ao ar que ali se respira. Mas para servir de alternativa, o comércio de rua encontra-se infelizmente num estado tão débil que não dará as respostas necessárias aos anseios de consumo das populações. Consequentemente o comércio “online” irá ter maior pujança e implantação junto dos novos hábitos das pessoas e isso trará reflexos inevitáveis nos espaços urbanos.
Com isso, a “cidade”, como um todo a ser vivido, ficará em desvantagem. E, porventura, tenderá ainda mais a ser um espaço de mera circulação. Também é uma realidade que com a pandemia vivida e que ainda se vive, a utilização do espaço público tenderá a valorizar-se junto da população urbana e isso é algo muito positivo. Em especial o “espaço verde”; jardins, parques, etc..
Com efeito, é mais do que sabido que é no espaço verde onde a população pode interagir com a natureza e desse modo promover o seu bem-estar físico e psíquico. Isso trará maior qualidade ambiental à cidade em si.
Os casos mais dramáticos de cidades afectadas pela Covid-19 em Portugal, são aquelas que tiveram nos últimos 7 anos um crescimento brutal de turismo – Lisboa e Porto – pese embora terem assistido a transformações muito benéficas na recuperação de edifícios. Esse turismo galopante que teve agora o seu final repentino não prevê que a sua retoma seja para breve, pelo menos, para o seu anterior potencial.

Mário Pessegueiro

São estas mesmas cidades que irão ter um silêncio assustador dentro delas. Terão que se reinventar para serem novamente cidades vividas. E para serem vividas de forma mais permanente é necessário que se criem e se facilitem actividades laborais que estreitem a proximidade entre trabalho e residências permanentes que advirão do número exorbitante de hotéis e seus afins em declínio.
Esperemos, pois, que não se criem obstáculos estatais para que esse processo de transformação se desenvolva, sendo que este deve ser à mercê da espontaneidade económica e se renovar por si só. E, mais uma vez, que as autarquias agilizem essa mudança urbana.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Loading Facebook Comments ...