A cerejeira que deu pêssegos

0
35

Foi sempre o campo da eira, apesar de há muito ela não existir. Na eira do meu tempo de criança, secava-se o milho e o feijão e por lá voavam muitos pássaros e as praganas da ventaneira. Ao lado arrulhavam as pombas no pombal e um ou outro pombo-correio, vindo de longe, meneava a cabecita, rondando os ares à procura de algum rumo traçado no seu
minúsculo cérebro.
Hoje, o campo está pejado de árvores de fruto, umas mais velhas, outras mais novas, mais raquíticas ou escorreitas, produzindo dentro da mais anárquica e natural liberdade. Mesmo a dar pouco ou nada, por lá vão vivendo ano após ano até secarem. Não há o hábito de cortar árvores. Se não dão fruto, dão folhas, flores ou alguma sombra.
Ao jeito de cada uma lá vão dando maçãs santiagas, vermelhinhas e perfumadas, luzindo por entre a abundante folhagem, outras maçãs mais serôdias ou temporãs, pêras e pêros, limões abafados pela figueira que já deixa ver os figos a engordar, dióspiros ainda imberbes e uvas a prometer. Impõe-se com solenidade no meio daquela selva a velha laranjeira que já deixa ver as laranjinhas novas e verdes no meio das laranjas velhas que caem de estelo. Até araçás, a quererem avermelhar, crescem enroscados nos kiwis.
Os pessegueiros também por lá convivem, de boa raça ou bravios. Há uma qualidade estranha e rara, espécie imigrante não se sabe de onde, que tem proliferado e que carrega pêssegos brancos, carecas, redondinhos, que parecem ameixas. São tantos que nem
a voraz passarada consegue dar-lhes vazão. A árvore não é alta e por isso são fáceis de colher. De tão carregada, verga ao jeito da mão e há galhos que até se arrastam pelo chão.
Peguei num cestinho e fui colher alguns, antes que fosse tarde. À sombra, ronronava um gato dos muitos que por vezes lá dormitam a sesta. O calor era tanto que não tive coragem de o escorraçar. Ele também, cansado ou velho, nem sequer se mexeu com a minha aproximação. Apanhei o que quis e me apeteceu e ele sempre quietinho a dormir.
Reparei, entretanto, que um dos pessegueiros poisara um braço, como que a descansar da carga, sobre uma cerejeira que nunca dera nada mas que ainda se mantém coberta de folhas verdinhas, talvez devido à sombra que a protege. As suas folhas nem são assim muito diferentes das do pessegueiro.
De tal modo se abraçam as duas árvores naquela brenha, que dei comigo a colher pêssegos da cerejeira. São segredos da natureza… Talvez a cerejeira, que nunca dera filhos, se sinta feliz por ter adoptado os pesseguitos nascidos do abraço cansado mas carinhoso do pessegueiro.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Loading Facebook Comments ...