O programa Cidadãos Ativ@s, da Fundação Calouste Gulbenkian, vai apoiar 51 projetos de intervenção social de organizações não-governamentais de vários pontos do país.

Entre os projetos contemplados está “Lugares de Encontro” da Associação de Jovens Ecos Urbanos que está focado no empoderamento de um grupo vulnerável que são as famílias monoparentais no feminino. Este projeto tem cerca de 97 mil euros de financiamento para criar “lugares de encontro” entre 40 mulheres, que são mães e pais ao mesmo tempo, ao longo dos próximos 28 meses.

Este projeto pretende criar uma rede de apoio para as mães destas famílias monoparentais e desenvolver atividades semanais que promovam o seu papel enquanto mulheres e cidadãs ativas. Uma delas é o “Teatro Fórum”, a outra “O Clube do Avental”.

No “Teatro Fórum” estas mulheres vão subir ao “palco” com tempo para conversar, descobrir semelhanças e diferenças com o outro e, acima de tudo, para sonhar. Em “O Clube do Avental” vai ser desconstruído este objeto de conotação a um trabalho desvalorizado para dar lugar a um símbolo de força e de criatividade. A prova de que este programa foi desenhado à medida das necessidades destas famílias monoparentais é que, enquanto as mães estão nas atividades desenvolvidas no espaço da associação sanjoanense na Oliva Creative Factory, os filhos vão participar em oficinas artísticas, ali mesmo ao lado, em parceria com o Centro de Arte Oliva. Desta forma, as mães podem usufruir em pleno de cada um dos momentos sem estarem preocupadas com os filhos.

O trabalho deste projeto está a ser desenvolvido em rede com as entidades parceiras Centro Comunitário (CC) da Associação de Jovens Ecos Urbanos (AJEU), a Divisão de Ação Social da Câmara Municipal de S. João da Madeira, o Centro Comunitário Porta Aberta (CCPA) da Santa Casa da Misericórdia (SCM), a empresa municipal Habitar, a Comissão de Proteção de Crianças e Jovens (CPCJ), o Centro de Arte Oliva e a IRENNE – Associação de Investigação, Prevenção e Combate à Violência e Exclusão. “Lugares de Encontro” foi desenhado para apoiar 40 famílias monoparentais no feminino, cujas mães tenham menos de 45 anos ou com filhos com menos de 15 anos, mas estão identificadas pelo menos mais 55 que são também acompanhadas pelas instituições parceiras.  Das 95 famílias monoparentais no feminino que existem no concelho sanjoanense, 32 são acompanhadas pelo CCPA da SCM, 28 pelo CC da AJEU, 20 pela Habitar e 15 pela CPCJ.

O projeto vai ser avaliado ao longo do seu desenvolvimento e vai ser alvo de um estudo de impacto, levado a cabo pela IRENE que atua sobre duas áreas: o estudo de género e o ócio e o lazer, que será divulgado com o objetivo de servir de reflexão sobre a sua atuação junto deste grupo vulnerável.

“Espero que este trabalho contribua para apresentar novos sonhos e melhorar a vossa qualidade de vida”

A ideia de criação de um projeto para mulheres em situação vulnerável pela sobrecarga que a monoparentalidade traz ao associar-se à precariedade económica foi sentida na e com a comunidade. “Este projeto resulta de um trabalho transversal entre o apoio social e a dinâmica sociocultural da nossa associação” que são “para nós pilares da nossa intervenção e cujo objetivo maior passa sempre pela coesão e pelo desenvolvimento comunitário”, afirmou Rita Pereira, presidente da Ecos Urbanos, realçando a “adesão imediata” de todos os parceiros nesta ação concertada que visa combater o isolamento desta tipologia familiar em modo crescendo.

“Lugares de Encontro” é um projeto que quer promover “a valorização do tempo livre destas senhoras” e através do qual “queremos construir a cada dia através de pensamento-ação respostas eficazes, concretas e corajosas às exigências de um mundo sempre em mudança e tentar assim promover a igualdade”, salientou Rita Pereira, durante a sua apresentação e lançamento oficial que teve lugar no dia 11 de junho no Centro de Arte Oliva.

Por sua vez, Jorge Sequeira, presidente da câmara, referiu que “é muito importante para o nosso concelho que tenham apresentado um projeto bem estruturado, com mérito que passou no crivo de um júri exigente” e deixou uma palavra de reconhecimento ao trabalho desempenhado por todos os parceiros. “Espero que este trabalho contribua para apresentar novos sonhos e melhorar a vossa qualidade de vida”, disse Jorge Sequeira, dirigindo-se às mães, finalizando com o desejo de que “Lugares de Encontro” seja “um êxito” em S. João da Madeira.

 

Expectativas das Mães

 

“Espero com este projeto descomprimir do tempo total que é ser mãe.
 Sei também que esta é uma boa oportunidade para os meus filhos aprenderem coisas novas”

 

“Antes de sermos mães, somos mulheres e precisamos de ter tempo de qualidade para nós. Gostava de experimentar várias artes, de conviver e de criar laços”.

 

“Ser mãe é ter tempo para nós próprias.
Sou mãe e preciso de tempo para mim.
Mãe também tem direito de se cuidar e ser ela própria”.

 

“Tempo para autoconhecimento, autocuidado, relaxamento, conversas temáticas, receitas culinárias e dicas práticas para o dia a dia.
Tempo de entreajuda”.

 

“Tempo para relaxar sem deixar de ser mãe.
Tempo para descobrir o que cada uma gosta e faz melhor e aprender a tirar proveito disso”.

 

“Sou viúva há dois anos. Desde aí que deixei de ter tempo para olhar para mim. Espero agora começar a conseguir”.

 

“Urge obrigar-nos a ter ´o nosso momento´ como mulheres e seres humanos que somos, sem deixarmos de ser grandes mães que somos, com o mesmo amor, a mesma intensidade e a mesma dedicação”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Loading Facebook Comments ...