O candidato que goza com a sua cidade

0
1361

Depois da candidatura autárquica do PSD/CDS (e agora, num relevantíssimo e decisivo golpe político, também da Iniciativa Liberal) ter decidido apresentar o comediante Pedro Neves como candidato a Presidente da Junta de Freguesia, o candidato a Presidente da Câmara Dr. João Almeida também decidiu começar a fazer graçolas.
Só que também para se ter graça é preciso saber fazê-lo. E o Dr. João Almeida – que até é pessoa educada e simpática – começou a gozar com S. João da Madeira e a fazer comentários depreciativos e trocistas em relação à nossa Cidade. O Dr. João Almeida já deveria saber que, ao candidatar-se a Presidente da Câmara, assume uma posição de responsabilidade institucional que o impede de brincar com a Cidade e não deveria apoucar nem desprestigiar, publicamente e aos olhos do resto do País, o município de que pretende ser o mais alto representante.
Os sanjoanenses que efetivamente vivem e respiram a sua Cidade não emitem comentários
depreciativos ou gozões que a apouquem. Pelo contrário, defendem-na e valorizam-na até ao extremo. É esta a essência do bairrismo sanjoanense. O Dr. João Almeida publicou recentemente nas suas redes sociais um comentário em relação às obras de arranjo urbanístico da Praça, classificando em tom de gozo as floreiras instaladas como “saladeiras”, a existência de uma “floresta de bancos” e apelidou a fonte seca de jogos de água como “chuva invertida”.
O candidato, que não pode ignorar que o seu comentário iria ser visto e partilhado por muitas pessoas a nível nacional – projetou o gozo sobre a sua cidade para o resto do país. E o mais interessante disto tudo é que foi o próprio Dr. Paulo Cavaleiro (principal representante do PSD que apoia aquele candidato) que, na reunião de Câmara em que foi analisada a colocação na Praça de uma fonte seca de jogos de água, afirmou que essa era uma ideia que ele também já tinha tido… Seguramente o Dr. Paulo Cavaleiro não teria entrado neste gozo.
Este lamentável pequeno episódio só assume relevância como demonstração do equívoco e do desinteresse pela Cidade que caracterizam esta candidatura a Presidente da Câmara Municipal de S. João da Madeira e a Coligação PSD/ CDS/e-agora-também-IL. Ao contrário do que sucede com outros candidatos, o Dr. João Almeida não se candidatou por um impulso de vontade de servir a cidade, nem de bairrismo, nem de espírito de missão autárquica. Candidatou-se pura e simplesmente numa lógica do seu jogo estratégico e da sua manobra política nacional dentro do CDS, assumindo um lugar de destaque no combate autárquico ficar a salvo das críticas do seu adversário Chicão e não lhe poderem apontar a falta de empenho e apoio ao seu Partido numas eleições importantes.
A candidatura de João Almeida não resulta da vontade de servir a S. João da Madeira, mas sim da sua estratégia nacional de poder dentro do CDS. Se este candidato tivesse algum empenho na vida autárquica da nossa Cidade já o teria podido demonstrar, pois já foi eleito para os nossos órgãos autárquicos e nenhuma ação relevante lhe é conhecida a nível local. Talvez esta passagem como autarca despercebido tenha a ver com o seu quase total absentismo e falta de comparência às reuniões.
Se João Almeida pretende servir a cidade, já teve oportunidades para isso que desperdiçou, precisamente porque a sua motivação – embora legítima – é outra. Aliás, a candidatura da coligação PSD/CDS/e-agora-também-IL é tudo menos um ato de compromisso e empenho com S. João da Madeira.
É uma peça no jogo político dos partidos que a integram. João Almeida quer poder dizer dentro do CDS que se expôs pessoalmente e que esteve na linha da frente de uma batalha difícil. O Chicão finge que apoia, mas espera que João Almeida perca e fique enfraquecido
internamente (“se não ganha S. João da Madeira, como poderia ganhar o País?”). O PSD, por seu lado, encontrou a forma de marcar falta de comparência nas autárquicas sanjoanenses deste ano, tendo dificuldade de apresentar uma candidatura credível e não tendo coragem para assumir uma candidatura e os riscos de uma derrota pesada.
Escondeu-se, assim, num terceiro que encontrou para assumir estas despesas. E a grande confirmação de que esta candidatura tem tudo de jogo nacional e nada de interesse para a nossa Cidade vem da adesão da Iniciativa Liberal à coligação, que não tem nada de acrescento nem de relevante para S. João da Madeira e tem tudo a ver com a tentativa da IL se afirmar como partido com implantação nacional, mesmo que completamente artificial. Ou seja, nada de novo ou de positivo trazem para nós, os sanjoanenses. Nem é essa a sua motivação.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Loading Facebook Comments ...