Encarcerados por quê, encarcerados por quem,

Até quando prisioneiros; p´ra quando o romper das amarras,

Navegantes num planeta. livres até quando alguém,

Vindo das sombras tão fundas estendeu aduncas garras?

 

Micro ser, de macro efeito, cápsula sim de desatino,

Decidiu lançar a rede. Amarras à nossa volta,

Em surtido pela Terra, por caminhos sem destino.

Apenas mostrar que há um novo inimigo à solta.

Flores Santos Leite

Obrigado pelo seu interesse no trabalho dos nossos profissionais. Poderá ter acesso à versão integral deste artigo na edição impressa ou no formato digital. Assine o labor aqui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Loading Facebook Comments ...